Prova de ciclismo na recebe duras críticas após cartaz machista

Volta ciclística de Harelbeke, na Bélgica, causa desconforto por exibir peça publicitária em que ciclista apalpa a nádega de mulher

Estadão Conteúdo

25 de fevereiro de 2015 | 16h08

Até a União Ciclística Internacional (UCI) se posicionou para criticar o "extremamente infeliz" cartaz de divulgação da volta ciclística E3 Harelbeke, realizada na Bélgica, que faz parte do circuito de elite da entidade. Na peça publicitária, a mão de um ciclista apalpa as nádegas da mulher que entrega o prêmio.

"A UCI está extremamente descontente com o cartaz promocional da E3 Harelbeke. Recordamos os organizadores de suas responsabilidades e das regras da UCI, e eles concordaram em retirar o cartaz de todos os suportes publicitários", garantiu a UCI, em comunicado, nesta terça-feira.

No cartaz, aparece, em letras garrafais, a expressão "Quem apalpará?", enquanto a imagem mostra apenas uma mulher, fotografada entre o joelho e a cintura, com parte da saia levantada, enquanto a mão do ciclista se aproxima das suas nádegas. A peça gerou grande repercussão nas redes sociais, taxada de machista.

Em 2013, no Tour de Flanders, volta ciclística mais importante da Bélgica, o eslovaco Peter Sagan, um dos principais nomes da modalidade, passou a mão nas nádegas de uma das modelos que entregavam a premiação. Dias depois, diante da grande repercussão do fato, Sagan pediu desculpas.

Tudo o que sabemos sobre:
esportesciclismomachismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.