Prova de rua atrai 30 mil corredores

A 16.ª Maratona de Revezamento tem início às 7 horas, no Obelisco

O Estadao de S.Paulo

20 de setembro de 2008 | 00h00

Na preparação para a 16ª Maratona Pão de Açúcar de Revezamento de São Paulo, marcada para as 7 horas de hoje, a copeira Elza Galvão, 50 anos, tem dormido pouco. Participante de diversas competições desde que começou a correr, há cinco anos, Elza não perde o sono por nervosismo, mas por ter de sair diariamente de Guarulhos às 4h30 para treinar no Ibirapuera antes de ir para o trabalho, às 9 horas. Elzinha, como é chamada pelas companheiras, está entre os cerca de 30 mil corredores que irão invadir as ruas de São Paulo na maior maratona de revezamento da América Latina. O evento terá a participação de nomes consagrados como Marílson dos Santos, bicampeão da São Silvestre, e Vanderlei Cordeiro de Lima, medalhista de bronze nos Jogos de Atenas, em 2004.Ao todo, serão mais de 4.500 equipes divididas em grupos de dois, quatro e oito corredores. Para sua quinta participação no evento, Elzinha formou o time "Nós da Copa" com três colegas de trabalho, todas mais novas. "Foram elas que me convenceram a começar no esporte", explica Elza, que já soma três maratonas no currículo. Há poucas semanas, ela começou a fazer natação no horário do meio-dia e ainda arruma tempo para cursar o Ensino Médio à noite. "Vou dormir todo dia depois da meia-noite, mas não deixo de treinar. No fim de semana, corro no sábado ou no domingo, e tiro um dia da semana pra descansar, não é?", pergunta. Segundo a copeira, até começar a praticar esporte, aos 45 anos , não tinha fôlego "nem para correr atrás do ônibus."O fisiologista Edgard Freire, 77 anos, é um freqüente companheiro de treinos de Elzinha no Parque do Ibirapuera. Corredor na juventude - foi 2º colocado na São Silvestre de 1954 -, Edgard ficou 30 anos longe das pistas para voltar a estudar. Há 13 anos, fez seu retorno ao esporte e desde então não perde nenhuma edição da Maratona de Revezamento na Capital. Ele participa de uma equipe com oito integrantes, que correrão, cada um, cerca de 5,3 dos 42,195 quilômetros de percurso, cuja largada é em frente ao Obelisco do Ibirapuera. "Já corri seis vezes a Maratona de Nova York e a sensação é muito parecida com a de correr em São Paulo. As pessoas na rua incentivam os atletas, é uma integração muito bonita", afirma Edgard.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.