Provocação equatoriana irrita jogadores e Dunga

O técnico Sixto Vizuete afirmou que sua seleção é melhor coletivamente do que a brasileira

, O Estadao de S.Paulo

28 de março de 2009 | 00h00

Brasil e Equador nunca tiveram rivalidade na América do Sul, afinal a diferença técnica entre o futebol dos dois países sempre foi muito grande. Mas as declarações do falastrão Sixto Vizuete puseram pimenta no confronto de amanhã, em Quito. "Somos melhores do que o Brasil coletivamente", afirmou o treinador, ignorando a fraca campanha de sua equipe nas Eliminatórias - 12 pontos e apenas três vitórias. "Seremos agressivos durante o tempo todo. Temos preparo físico para impor um ritmo forte." Vizuete ainda disse considerar mais difícil enfrentar o Paraguai, líder da disputa, do que a equipe dirigida por Dunga. Seus comentários, claro, não caíram bem entre os brasileiros, que rebateram as críticas. "Quem tem boca fala o que quer", disse o lateral-esquerdo Marcelo, do Real Madrid, visivelmente irritado. "Mas isso não vai afetar a gente."Dunga não gostou, mas preferiu evitar polêmica. "Cada um trabalha da maneira que acha melhor. Ele deve acreditar no time dele, como eu acredito no meu." Em alta com Dunga, o volante Felipe Melo, da Fiorentina, esbanja confiança. "Se repetirmos o que fizemos contra a Itália (vitória por 2 a 0, em amistoso, em fevereiro), vamos vencer", disse o jogador, confirmado como titular para o duelo de Quito.No primeiro turno, no Maracanã, em 17 de outubro de 2007, o Brasil passeou em campo e fez 5 a 0 no Equador. Mas Vizuete aposta que desta vez será diferente.RESPEITOIvan Hurtado, zagueiro e capitão da equipe equatoriana, é mais equilibrado do que seu treinador na hora de analisar as duas seleções. "O Equador sempre é muito forte quando joga em casa, mas não podemos subestimar o poder dos brasileiros."O jogador revelou que houve uma análise individual do Brasil. "Será um jogo bonito de se ver. As equipes tocam muito bem a bola e procuram o ataque", disse Hurtado, que vai disputar a 168ª partida com a camisa do Equador. "Nós teremos de trocar muitos passes para tentar desgastar o Brasil fisicamente", completou o jogador, referindo-se aos 2.850 metros de altitude de Quito.Vizuete não se animou com a ausência de Kaká. "O Dunga tem um esquema consistente, que mantém o nível do meio de campo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.