Douglas Aby Saber / Foto Arena
Douglas Aby Saber / Foto Arena

Psicólogo para o craque

Santos anuncia contratação de profissional para cuidar de Neymar. Pai do atleta diz que há dois anos ele tem acompanhamento

Sanches Filho ESPECIAL PARA O ESTADO / SANTOS, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2010 | 00h00

Neymar não está mais cansado de tudo, como postou em seu Twitter anteontem, após o jogo do Santos com o Ceará, e também não vai mudar. Só precisa crescer. Essa foi a resposta que o pai do atacante, Neymar da Silva Santos, repetiu nos mais de 20 telefonemas que recebeu ontem. Ao contrário da cúpula santista, que, incomodada pela sequencia de polêmicas envolvendo o jovem jogador, promete contratar um psicólogo para ajudá-lo. Neymar pai não vê motivo para maiores preocupações.

"Já temos esse tipo de acompanhamento há mais de dois anos. E não é apenas para ele, mas para toda a família"", disse Neymar pai. "Quanto àquela frase do Twitter, foi por causa da derrota e a uma série de acontecimentos, mas meia hora depois ele já disse que estava tudo bem outra vez. O que as pessoas precisam entender é que Neymar pensa e age como todo jovem de 18 anos. Ele só precisa crescer, e só Deus vai dar a ele a experiência e o amadurecimento necessários.""

A única orientação que Silva Santos deu ao filho foi para que mude o comportamento com relação ao Twitter. Desde ontem, um assessor ficou encarregado de postar as mensagens dirigidas à torcida. "Ele vai usar um outro Twitter, pessoal, para falar com os amigos. O anterior terá apenas frases prontas. Não serão mais frases espontâneas e o que Neymar pensa"", avisou. Mas o atacante não se deu por vencido. "Meu pai me deu uma bronca, mas pedi para ele mais uma chance", afirmou durante o programa Bem amigos!.

O atacante retornou de Fortaleza ontem às 15h30. Na chegada da delegação, desembarcou do ônibus santista sem olhar para os jornalistas que o aguardavam. Depois, enquanto os demais jogadores tiveram um treino leve em campo, Neymar fez exercícios físicos.

Peso nas costas. A explosão do garoto, chamando o zagueiro João Marcos para briga após a derrota por 2 a 1 para o Ceará, foi o segundo episódio negativo em que se envolveu depois de ter recusado a proposta milionária do Chelsea. Antes teve problemas com o técnico Antônio Lopes e jogadores do Avaí (leia nesta página). A sua reação à marcação rígida dos adversários tem sido diferente da que tinha no Paulista e na Copa do Brasil, quando Paulo Henrique Ganso, Robinho, Wesley e André estavam ao seu lado e dividiam a responsabilidade.

Agora, Neymar, além de ter de carregar quase sozinho o time nas costas, recebeu a missão especial de se transformar em superstar para alavancar ricas campanhas publicitárias. Passou a ser importante fonte de recursos para o clube.

"Estão criando monstros, na tentativa de travar o projeto do Santos para que Neymar passe a ser mito"", acha o pai do atleta. "O que acontece é que Neymar tem de matar um leão por hora. Há dois anos, questionavam se estava pronto para ser titular do Santos. Depois, se tinha condições de fazer parte da seleção e agora falam que está sentindo a responsabilidade de se tornar mito. O projeto é maravilhoso."

Arbitragem. O Santos não protestou contra a arbitragem de Heber Roberto Lopes, que teria sido conivente com a violência de alguns jogadores do Ceará sobre Neymar. Porém, os dirigentes insistem na tese de que existe inversão de valores. "O talento vem sendo parado com antijogo e os jogadores violentos não estão sendo devidamente punidos"", disse o diretor de futebol, Pedro Luís Nunes Conceição.

Na súmula, Heber ignorou a discussão entre Neymar e João Marcos, mas relatou a agressão sofrida pela meia Marquinhos por parte de um PM cearense. Segundo o árbitro, o jogador foi atingido por um cassetete.

PARA LEMBRAR

Atacante já se viu envolvido em várias polêmicas

A confusão de anteontem não foi a primeira em que Neymar se envolveu. Em sua ainda curta carreira, já tomou várias atitudes que desagradaram seus adversários. No Campeonato Paulista, em jogo contra o Corinthians, o atacante deu chapéu no zagueiro Chicão quando o jogo estava parado. Indignado com a atitude, o técnico Mano Menezes, atualmente na seleção brasileira, declarou que Neymar deveria ter atitudes mais responsáveis.

O craque repetiu o chapéu com bola parada no jogo diante do Avaí, no último dia 2. O alvo foi o volante Marcinho Guerreiro, que também reclamou. Além disso, Neymar foi acusado pelo técnico do time catarinense, Antônio Lopes, de ter dado socos e cotoveladas em seus atletas, e de se gabar por ser milionário. "O Neymar empurra para caramba. Disse para o Emerson (zagueiro do Avaí) que era milionário, que ganha muita grana"", criticou Lopes. "Mesmo assim, foi marcado sem pontapés."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.