Público "assusta" Maurren Maggi

Os paraenses vibraram com a medalha de ouro no salto em distância, ganha por Maurren Higa Maggi, com um salto de 6,90 metros. Para delírio do público, a saltadora, de 25 anos, fez a volta olímpica carregando as bandeiras do Brasil e do Pará. Maurren disse que ficou "um pouco assustada" no início com o assédio do público. "Nunca tivemos tanta gente assim na arquibancada em um torneio de atletismo". O nervosismo passou após os dois primeiros saltos e Maurren não teve mais rivais - a húngara Tunda Vazki ficou com a medalha de prata (6,53 m) e a russa Yevgenia Zhadanova (6,45 m) com a medalha de bronze. Maurren deixou o Estádio do Pará, comemorando a regularidade que vem obtendo na temporada. "A pior marca dela, em cinco provas, esse ano, foi 6,89 m, o que já é muito bom, na semana passada, no Chile", afirmou a técnica Tânia de Paula Moura. A treinadora, que acompanhou Maurren em Belém (o técnico titular, Nélio Moura, está fazendo um curso nos Estados Unidos), observou que nos últimos quatro anos nenhuma atleta no mundo conseguiu ter um início de temporada tão regular no alto nível - Maurren detém, inclusive, a melhor marca do ano no ranking, de 7,01 m (também é a primeira no salto triplo, com 14,32 m). Tânia, que dividiu o quarto com Maurren, comentou que a atleta estava muito ansiosa antes de enfrentar o público brasileiro. "Nem sei como ela saltou. Passou a noite em claro - vendo tevê, usando o notebook, na internet... Quando eu a chamei, às 6 horas, ela disse que não estava dormindo." Maurren esperava repetir um salto de 7 metros, mas considerou o resultado muito bom. Já o outro atleta da equipe BM&F Atletismo, Jadel Gregório, acabou perdendo a medalha de ouro por um centímetro, para o norte-americano Kenta Bell. Jadel fez 16,99 metros no salto triplo e Bell saltou 17 metros, com o também norte-americano Tim Russan, em terceiro, com 16,91 m. "Gosto do calor, apreciei o público e poderia ter ido melhor", afirma Kenta, que lidera o ranking do ano. "Pena que não saiu como eu queria, mas terei a temporada toda pela frente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.