Quatro grandes da Europa em apuros

Os 3 melhores de 2006 e a Inglaterra precisam vencer na última rodada para evitar o vexame da eliminação na 1º fase

Fabio Hecico, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2010 | 00h00

Itália, Alemanha, Inglaterra e França somam, juntas, nove títulos mundiais, metade das 18 edições disputadas até agora. Gigantes, ricos, recheados de craques e sempre candidatos a figurar entre os melhores de qualquer competição em que entram, os quatro grandes da Europa vivem uma semana inusitada: com apenas uma vitória em oito jogos disputados (4 a 0 da Alemanha na Austrália), todas correm risco de eliminação ainda na primeira fase da Copa da África do Sul.

No Mundial de 2006, em solo alemão, França e Itália fizeram a decisão, com a conquista do tetracampeonato pela Azzurra. Levou a melhor sobre os campeões de 1998 nos pênaltis. A anfitriã e tricampeã Alemanha ficou com o terceiro lugar, após ganhar de outro rival europeu: Portugal. O time de Scolari havia derrubado a Inglaterra, dona do título de 1966, nas quartas de final.

Agora, todos precisam ganhar na rodada decisiva - o empate serve para alguns, desde que haja combinação de resultados. A França vive a situação mais complicada. Necessita dos três pontos, terá de torcer para que haja vencedor no confronto entre Uruguai e México e ainda se recuperar no saldo de gols.

O quarteto tem sete tropeços em oito jogos, com cinco empates e duas derrotas. A estreia alemã, com show de bola e goleada, acabou sendo a exceção.

Os primeiros a tentar evitar o desastre são os franceses. Amanhã, às 15h30, em Bloemfontein, encaram a crise interna e toda a torcida contra - enfrentam os donos da casa. Com saldo negativo de dois gols, têm de ganhar bem (não marcaram gol na competição e o atacante Anelka foi dispensado após ofender o técnico Raymond Domenech). E ainda precisam que Uruguai e México, no mesmo horário, não façam "jogo de compadres" - o empate garante as duas seleções.

Na quarta-feira, será a vez de ingleses e alemães apagarem a má impressão da rodada passada. A Inglaterra somou a segunda igualdade na sexta-feira - empate com os frágeis argelinos. Agora, terá de bater a Eslovênia, que também busca a vaga e joga pelo empate, às 11 horas.

Os alemães entram em campo às 15h30, em Johannesburgo, para provar que a derrota por 1 a 0 para a Sérvia foi um acidente de percurso. O time encara Gana, que avança com igualdade. Empate pode ser suficiente, desde que não haja vencedor no outro jogo da chave, entre Austrália e Sérvia (soma três pontos). Os australianos, com um ponto, precisariam fazer saldo.

A atual campeã define seu futuro na quinta-feira. Após dois resultados de 1 a 1, necessita da vitória sobre a Eslovênia. Se repetir a campanha de 1982 e empatar os três jogos (avançou e foi campeã), terá de torcer pelo Paraguai diante da seleção da Nova Zelândia.

O QUE CADA UM PRECISA

Itália

A atual campeã mundial precisa vencer a Eslováquia, na quinta-feira (Johannesburgo). Um empate também serve, desde que a Nova Zelândia

não passe pelo Paraguai

Alemanha

A tricampeã avança com um triunfo diante de Gana, na quarta-feira. Garante vaga com uma igualdade, desde que não haja ganhador no confronto entre Austrália e Sérvia

Inglaterra

A campeã de 1966 encara a Eslovênia, que também tem chances de avançar, na

quarta-feira, e chega às oitavas com um triunfo

França

A dona do título de 1998 não depende de si. Tem de ganhar, fazer saldo e torcer para que Uruguai e México não empatem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.