Quem é o melhor? Messi, é claro!

Argentino vence duelo com Neymar, leva prêmios individuais da final e do torneio e diz que o Barcelona quer mais

LUÍS AUGUSTO MÔNACO , ENVIADO ESPECIAL/YOKOHAMA, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2011 | 03h05

Lionel Messi mais uma vez brilhou numa final e mostrou que é o número 1 do mundo. Sua atuação lhe rendeu dois prêmios: melhor jogador da partida e craque do torneio. Mas, como de hábito, ele preferiu repartir os méritos por suas conquistas individuais. "O time fez uma partidaça. Jogar com craques como Xavi, Iniesta, Cesc (Fábregas) e outros é muito fácil."

O argentino conseguiu a proeza de fazer gol na seis competições que o Barcelona disputou em 2011 (Campeonato Espanhol, Copa do Rei, Copa dos Campeões, Supercopa da Espanha, Supercopa da Europa e Mundial), igualando o feito de Pedro em 2009.

Com seu desempenho superlativo na final de Yokohama, a pergunta sobre sua diferença de rendimento no clube e na seleção argentina foi inevitável. E a resposta não poderia ter sido mais sincera: "Jogo melhor no Barcelona porque é o melhor time do mundo", declarou.

A atuação do time ontem também foi tema de algumas perguntas. E Messi disse que não foi a melhor da equipe na era Guardiola. "Já jogamos assim outras vezes. Acontece que hoje era a final de um Mundial, por isso a repercussão é maior", avisou o craque argentino.

Seu colega Xavi concorda, e coloca medo nos adversários ao dizer que o Barça ainda tem margem para melhorar. "Nossa fome de títulos não acaba nunca. Queremos evoluir sempre para continuar ganhando."

Fenômeno. Sob o comando de Pep Guardiola, o time ganhou 13 títulos em 16 competições disputadas de agosto de 2008 para cá - só não levou a Copa do Rei em 2010 (eliminado pelo Sevilla) e 2011 (perdeu a final para o Real Madrid) e a Copa dos Campeões da temporada 2009/2010 (caiu na semifinal diante da Inter de Milão, que era treinada por José Mourinho).

"Ganhar tantos títulos fala por si só", afirmou o treinador. "Nosso grande trunfo é o espírito competitivo de nossos jogadores. Eles têm um mérito enorme por se manterem no topo."

O apetite insaciável por conquistas pode levar o time a ganhar mais três troféus na temporada: Campeonato Espanhol (está em segundo lugar, a três pontos do Real Madrid), Copa do Rei e Copa dos Campeões (enfrentará o Bayer Leverkusen nas oitavas de final, com a vantagem de fazer a partida de volta em casa).

Se conseguir o título europeu, em 2012 estará de volta ao Japão para defender o troféu ganho ontem e lutar pelo terceiro Mundial nos últimos quatro anos - venceu também em 2009, contra o Estudiantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.