Quem precisa de SP é a Copa

Haverá Copa do Mundo em São Paulo em 2014, estejam certos. E com a abertura aqui mesmo na nossa bela capital. Tive a confirmação disso nesta semana quando a Fifa descredenciou o Morumbi para a Copa. Acrescente-se a isso a declaração de autoridades de que não haverá dinheiro público algum para construção e reforma de estádios, o que solidificou ainda mais minha certeza que haverá Copa em São Paulo. Quando a CBF, a Fifa e os políticos dizem uma coisa deve-se ter o cuidado de ler exatamente o contrário. Portanto os desmentidos desta semana só me convenceram de que haverá Copa em São Paulo.

UGO GIOGERTTI, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2010 | 00h00

Claro que a cidade não precisa dela. São Paulo precisa de educação, saúde pública, transporte, e, em termos de futebol, do Corinthians, do São Paulo, do Palmeiras, do Santos, da Portuguesa, etc. Quem, ao contrário, precisa de São Paulo é a Copa. Isto é, os que realizam a Copa, os que são responsáveis por ela e, bem entendido, todos seus associados e protegidos. Porque é aqui que está o dinheiro, a grana. É concebível que os organizadores da Copa, sabendo quem são e o que fazem, virem as costas justamente para o lugar onde o dinheiro está? Entra na cabeça de alguém? O descredenciamento do Morumbi foi um aviso, que interpretei da seguinte maneira: "Pessoal, não me venham com estádios antigos, que para serem colocados em ordem demandem pouco dinheiro, comparativamente. Apresentem, por favor, projetos de novas "arenas", empreendimentos que demandarão montes de dinheiro para serem construídos, somas enormes, porque é disso que se trata. Grandes quantidades de dinheiro. É sobre isso que estamos falando, pessoal."

Tenho certeza de que a próxima etapa do plano "São Paulo na Copa", será uma campanha pela televisão, a começar dentro de pouco tempo, destinada a encher de brio os paulistas. Seremos convidados a exibir a bandeira das treze listas nos terraços e janelas e a nos erguermos em defesa de nossa cidade ameaçada, e da necessidade de termos a Copa aqui. Custe o que custar, afinal trata-se de nossa honra! Comerciais e mais comerciais reacenderão a chama sagrada do patriotismo da nossa terra, com tamanha frequência em nossas TVs que fariam corar o inesquecível dr. Goebbels. A população, então, com o ardor cívico elevado até os níveis adequados vai aprovar com entusiasmo a construção de qualquer "arena" que nos redima, mesmo que com dinheiro púbico. Pois todos sabemos que a possibilidade de haver recursos públicos nessa empreitada é quase de cem por cento.

Vi jogos no estádio do Morumbi ao longo dos anos com 105.000, 90.000 e mais de 80.000 espectadores. Nunca me senti inseguro, nunca tive problemas, jamais me senti minimamente desconfortável. Mas o Morumbi não cumpre as "exigências da Fifa", o que significa que é um entrave à construção de novos e inúteis estádios. Por isso o Morumbi não serve. Num certo sentido até concordo. Para ver Gana e Austrália, por exemplo, bem como outros jogos que estamos assistindo nesta Copa da África, a rua Javari estaria de ótimo tamanho, caso naturalmente não houvesse qualquer jogo do Juventus, que nesse caso seria certamente melhor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.