Quenianos favoritos na Maratona de SP

Os quenianos Paul Yego, Erick Kimayo e Jonah Koech vieram a São Paulo decididos a manter a tradição de vitórias em provas de longa distância que o país da África tem em corridas de rua de todo o mundo. Os três alinham para a largada da VII Maratona Internacional de São Paulo, neste domingo, a partir das 9 horas, na Praça Charles Miller, em frente ao estádio do Pacaembu, no pelotão de elite, entre os favoritos a obter o título. A TV Globo transmite a prova ao vivo. Uma das principais maratonas do calendário nacional, o percurso de 42.195 metros, será finalizado no Parque do Ibirapuera (entrada pelo portão 9).Paul Yego, vencedor em 1999 e atual recordista da competição com 2h15min20, acha que pode melhorar seu tempo. "Acredito que vou fazer uma boa prova, tentando melhorar minha marca. Mas é difícil apontar os atletas favoritos, porque cada um faz seu próprio treinamento e sabe da sua atual condição física", disse o queniano.Erick Kimayo, bicampeão da maratona de Honolulu (1997/1998), fará sua estréia na competição paulista - seu melhor tempo para a distância é de 2h07min43. Kimayo disse que veio a São Paulo atraído pela oportunidade de correr em um lugar diferente. Embora não conheça o percurso, afirma que "alguns corredores dizem que a prova é muito dura". Paul e Erick são amigos desde 1990, quando Erick entrou para o exército. Costumam treinar juntos, em um grupo de 15 atletas, dos quais oito são militares.Jonah Koech, vice-campeão das maratonas italianas de Palermo e Turim, em 1999, e quarto colocado em Nápoles, este ano, com 2h16min15, também nunca correu em São Paulo. Treinando há dois meses para a prova, afirma que seu melhor tempo para a distância é de 2h10min49.Narloch - Entre as mulheres que disputam a corrida, a catarinense Márcia Narloch pode obter o tricampeonato. Desde o início da temporada, Márcia (campeã em 1999 e em 2000) correu apenas provas de 10 quilômetros, justamente para descansar e treinar para a Maratona.O segredo para obter um bom resultado, na avaliação de Márcia, está no percurso. "A primeira parte é mais fácil, mas os últimos 21 quilômetros são extremamente difíceis." Apesar de conhecer o trajeto muito bem e de afirmar que está bem preparada, a brasileira observou que outras corredoras também estão prontas e podem vencer.A Maratona distribui R$ 220 mil em prêmios, sendo R$ 170 mil em dinheiro para os profissionais. Os brasileiros mais bem colocados, nas categorias masculino e feminino, ganham um carro zero km. Cinco passagens serão sorteadas para a Maratona da Disney ou Maratona de Nova York, nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.