''Quero ser aqui igual ao Tevez''

Defederico chega, faz exames e espera repetir o sucesso do compatriota no Corinthians

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

25 de agosto de 2009 | 00h00

Um presente de aniversário de 99 anos que será muito útil no centenário. Esse é o argentino Matías Defederico, o novo camisa 10 do Corinthians. O jovem de 20 anos chegou a São Paulo no fim da manhã de ontem, sorridente, dizendo querer ser o novo Tevez, fez exames médicos nas clínicas Santana Cor e de Joaquim Grava, foi aprovado, e deve ser apresentado ao torcedor no dia 2, no Pacaembu, diante do Santos, um dia após o clube comemorar aniversário."Resolvemos não querer fazer uma festa grande para ele. Apresentações como a do Ronaldo (com seis mil torcedores no Parque São Jorge), têm de ser para jogadores da grandeza do Ronaldo", afirmou Caio Campos, gerente de marketing do clube.Mas uma coisa é certa. Basta Defederico entrar em campo pela primeira vez com a camisa corintiana para ocorrer o lançamento de vários produtos ligados ao jogador. "Muitas coisas já estão definidas, mas não podemos falar. Venderemos muitos produtos ligados a seu nome, isso é fato."Camisetas, bonés, bonecos, souvenirs... O marketing pretende pagar boa parte do investimento em Defederico (contratado por cerca de R$ 8,3 milhões) com venda de produtos.Foi o departamento de marketing que tratou de toda a negociação. "Da nossa parte foi tudo resolvido. Agora, depende do pessoal do jurídico", revelou Caio. Os advogados do Corinthians negociam com o Huracán a liberação do jogador. Já acertaram a forma de pagamento (12 prestações em vez de 18) e agora falta acertar quanto será o valor da entrada. Os argentinos relutam em aceitar, agora, "apenas" R$ 2,3 milhões.Sabem, contudo, que não conseguirão mais segurar o meia e fazem pressão para, pelo menos, ganhar um pouco mais de dinheiro no negócio.Defederico desembarcou ao lado de seus empresários, feliz com a nova casa. Ainda no aeroporto de Cumbica, ganhou uma camisa 9 e uma bandeira. "Ronaldo ajudou muito na minha vinda. Sempre sonhei jogar com ele", disse. Mostrando-se bem informado sobre a futura casa, espera conquistar logo os corintianos. Seu espelho é o compatriota Tevez. "Tomara que eu possa fazer o mesmo que ele fez aqui. Sou rápido, habilidoso e tenho muita garra", enfatizou. E fez um pedido: não quer ser comparado a Messi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.