?Quiricomba? agita Eldorado-Brasilis

O "Quiricomba-Opportunity", do Grêmio Naval, foi o veleiro que percorreu o maior trecho de domingo para segunda na regata Eldorado-Brasilis: 63 milhas náuticas (116,7 quilômetros). Dessa forma, depois de ultrapassar o "BL-3/Alforria", o barco do Grêmio Naval passou a ameaçar a liderança do "V-Max/Nautos". Até esta segunda-feira, a diferença entre os dois era de 27 milhas (50 quilômetros). Dos 11 veleiros que estão disputando a prova, apenas o "Rajada", de Vitória, foi o único que não respondeu a três chamados do rebocar "Triunfo", da Marinha do Brasil, que dá suporte à regata.No domingo, o "V-Max/Nautos", do comandante Kan Chuh, liderava com uma vantagem de mais de 40 milhas (74,1 quilômetros) sobre o "BL-3/Alforria". A reação do "Quiricomba/Opportunity", comandado pelo capitão-de-corveta Ricardo Dondeo, reduziu drasticamente esta vantagem.Mesmo assim, reconhece o comandante Dondeo, não será fácil superar o "V-Max/Nautos". Com mar tranqüilo, o comandante do rebocador "Triunfo", o capitão-de-corveta Ricardo Jorge Cruz de Aragão, prevê que a tripulação do "Rajada", de 32 pés, sob o comando de Bruno Martinelli, esteja enfrentando um problema elétrico ou um defeito no sistema de rádio. "Como o barco não respondeu as nossas chamdas, estamos mudando de rota e partindo em direção do "Rajada", explicou o comandante Aragão.O "Triunfo" tem 57 metros, pesa 1.600 toneladas e leva a bordo uma tripulação de 47 oficiais e marinheiros. Caso a falha do sistema de comunicação do "Rajada" não possa ser reparado pelos próprios tripulantes ou pela equipe da Marinha, o comandante Aragão julga que a orientação será para que o barco volte à Vitória, abandonando a competição."Ainda estamos no começo da regata. Eles não poderiam continuar competindo", explicou. Mas antes de qualquer decisão, o comandante Aragão deverá consultar a Capitania dos Portos de Vitória que monitora a prova.O "Rajada" foi um dos últimos barcos a se inscrever para a regata. A equipe de jovens velejadores de Vitória desmontou, praticamente, todo o veleiro preparando-o durante os últimos dois meses especialmente para correr a Eldorado-Brasilis. Bruno Martinelli dos Santos, o mais experiente, competiu pelo "Normandie", na regata do ano passado.Segundo o repórter Ary Pereira Jr., da Rádio Eldorado, que acompanha a prova no rebocador "Triunfo", os ventos continuam de nordeste a leste, entre fracos e moderados, não superando a casa dos 10 nós (18 km/h).Classificação - A classificação provisória da regata apresenta a liderança do "V-Max/Nautos", do comandante Kan Chuh; em 2º lugar, a 27 milhas, está o "Quiricomba/Opportunity", do Grêmio Naval; em 3º, a 5 milhas, aparece o "BL-3/Alforria", do comandante Pedro Rodrigues e em 4º, a apenas uma milha, está o "Mar Sem Fim", do comandante João Lara Mesquita.O trawler "Lord Gato", de Carlos Brancante, que tinha voltado à Vitória para o conserto de um problema mecânico no motor, já está de novo na rota da regata. O barco também dá suporte à regata e nesta segunda-feira mesmo ele conseguiu alcançar a flotilha. Carlos Brancante é quem está levando a placa de aço em homenagem ao navegador Peter Blake para ser entregue ao comando da Marinha na Ilha de Trindade.A regata Eldorado-Brasilis tem o patrocínio da Business School São Paulo, Stremo Corretora de Valores e Wall Street Institute.

Agencia Estado,

21 de janeiro de 2002 | 17h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.