Racing promete ser um rival indigesto

Visitante incômodo na estreia do Corinthians na Libertadores, o Racing pode ser um rival ainda mais indigesto em seus domínios. Após a vitória por 2 a 1, de virada, no Pacaembu, Mano Menezes projeta um Racing mais agressivo hoje à noite.

, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2010 | 00h00

"Se espera um adversário com mais volume ofensivo. Aqui, eles fizeram um gol cedo e a equipe deles recuou", disse o técnico.

Mano preparou a equipe para um típico jogo de Libertadores, apesar da pequena torcida adversária ? o Estádio Parque Central tem capacidade para pouco mais de 20 mil e não deve lotar. Precisando da vitória para se manter vivo na briga pela vaga, o time uruguaio vai tentar fazer valer o fator local. "A bola fica mais viva, com um gramado ralo. Fica difícil o controle de bola."

Estreante na competição, o Racing tem conseguido bom retrospecto em casa. Venceu os dois jogos que disputou em Montevidéu, contra Cerro Porteño (2 a 1) e Independiente de Medellín (1 a 0). "É uma equipe que sempre que faz gol desacelera o jogo e administra o resultado quando atua em casa", diz Mano.

Com 7 pontos, três a menos que o Corinthians, sofreu apenas uma derrota, justamente para a equipe brasileira, na estreia. "Será um jogo difícil, eles precisam do resultado e vão vir para cima", afirmou o meia Danilo.

No jogo do Pacaembu, os jogadores do Racing chegaram a provocar Ronaldo, ironizando com o peso do atacante. Para Mano Menezes, o camisa 9 saberá lidar com a situação. "Provocação é normal. Se há alguém acostumado a isto, é ele. Aqui (em São Paulo), soube lidar muito bem com esta provocação e mudou a faixa de campo, atuando mais como armador."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.