Rafael Benítez mais uma vez sob pressão

Em seu segundo jogo no comando do Chelsea, o técnico espanhol tentará começar a conquistar o coração da torcida azul

O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2012 | 02h06

Poucas vezes um treinador foi tão mal recebido pela torcida de seu novo clube quanto Rafael Benítez no Chelsea. Na estreia do espanhol, domingo, contra o Manchester City, cartazes pedindo a saída do substituto de Roberto di Matteo estavam espalhados por todos os cantos de Stamford Bridge. É provável que os cartazes apareçam mais uma vez hoje, contra o Fulham, pelo Campeonato Inglês.

O fato de a partida ser fora de casa não amenizará muito a pressão sobre Benítez, já que o estádio do Fulham fica no mesmo bairro de Londres em que está localizada a sede do Chelsea. Logo, os torcedores do time azul nem precisarão fazer muito esforço para atazanar o técnico.

A reação furiosa da torcida do Chelsea à chegada de Benítez tem dois motivos: 1) ela não queria a saída de Di Matteo, que é muito querido por causa de sua ótima passagem pelo clube como jogador, nos anos 90; 2) quando era técnico do Liverpool, Benítez disse que jamais dirigiria o Chelsea para não magoar os torcedores da equipe vermelha. Agora que decidiu "esquecer" aquilo que havia dito, o espanhol tenta conservar a frieza. Ele acredita que há no futebol um remédio que cura todos os males: os bons resultados.

"Eu não ligo quando os torcedores cantam coisas contra mim. Quero mudar a percepção deles", falou Benítez. "Como eu vou fazer isso? Trabalhando duro, fazendo o meu melhor e ganhando jogos. Se começarmos a ganhar jogos, eles vão nos apoiar e vão perceber que eu vou tentar fazer o meu melhor por eles."

O Chelsea é o quarto colocado do campeonato, com cinco pontos a menos do que o Manchester United. O time dirigido por Alex Ferguson jogará hoje contra o West Ham, em Manchester. O vice-líder Manchester City (um ponto a menos do que o primeiro colocado) enfrentará o Wigan fora de casa.

Na Itália. Pelo Campeonato Italiano, a Lazio enfrentou ontem a Udinese no encerramento da 14ª rodada e venceu por 3 a 0. Hernanes marcou um dos gols da equipe de Roma - Álvaro González e Klose fizeram os outros.

A vitória levou a Lazio de volta à quinta colocação, com 26 pontos, dois a menos do que a Fiorentina, quarta colocada. A líder é a Juventus, que tem 32.

Na Espanha. O Barcelona enfrentará hoje o Alavés, no Camp Nou, pela Copa do Rei. Como a equipe venceu a partida de ida por 3 a 0, o técnico Tito Vilanova vai poupar quase todos os seus titulares - entre eles Messi, que raramente fica fora de partidas de seu clube.

Sendo assim, o argentino vai demorar um pouco mais para alcançar o recorde de gols em um ano no futebol europeu, 85, que pertence a Gerd Müller. Messi já marcou 82 gols em 2012. "Messi só pensa em ajudar o grupo, e não em recordes pessoais. Se pensasse nisso, ele teria pedido para jogar", justificou Vilanova.

Ontem, o Real Madrid entrou em campo pela Copa do Rei para enfrentar o Alcoyano, em Madri. Como havia vencido o jogo de ida por 4 a 1, o técnico José Mourinho fez o mesmo que Vilanova fará hoje: poupou suas feras para futuras batalhas. Com um time misto, o Real venceu o fraco adversário por 3 a 0 - dois gols de Callejón e um de Di María.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.