Rafael está pronto para decidir nos pênaltis

Goleiro do Santos tem bom retrospecto em penalidades e garante saber como cada jogador corintiano cobra

Sanches Filho, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2011 | 00h00

ESPECIAL PARA O ESTADO / SANTOS

Rafael terá motivação extra na decisão de amanhã contra o Corinthians. Se não tomar gol, como nos últimos seis jogos, vai ficar a apenas 40 minutos da marca de 691 minutos sem ser vazado alcançada por Fábio Costa em 2006. E, se o 0 a 0 do primeiro jogo das finais se repetir, o campeão paulista será conhecido em cobranças de pênaltis. Algo que não assusta o goleiro.

"Não penso em ser herói, mas, se a decisão for para os pênaltis, eu sei como todos eles (os jogadores corintianos) batem"", afirmou Rafael. Ele não tem treinado a jogada, por conta dos seguidos jogos e das longas viagens, mas, para compensar, assistiu a vídeos com os últimos pênaltis cobrados pelos rivais. "O aproveitamento deles contra o Deola (semifinal contra o Palmeiras) foi de 100% porque, quando o pênalti é bem batido, o goleiro não pega, mesmo acertando o canto.""

O histórico de Rafael em pênaltis é positivo. Desde que se tornou titular, dos dez cobrados contra o Santos, defendeu quatro, três foram chutados para fora e apenas três convertidos.

Apesar de poder se tornar o goleiro que ficou maior tempo sem tomar gol na história do Santos, em menos de um ano como titular, Rafael afirma que trocaria o sucesso individual pela faixa de campeão estadual. "Não entro em campo pensando em bater recorde, mas, se acontecer, ficarei feliz"", admite o goleiro. que, no entanto, acrescenta: "Prefiro muito mais ser campeão a alcançar a marca histórica. Estou lá para ajudar. O importante é a gente ganhar o título."

Força defensiva. Para Rafael, o Corinthians vai marcar mais forte no jogo de amanhã e tentar chegar ao gol aproveitando-se de erro de passe do Santos ou roubando a bola na marcação sob pressão. "Eles têm jogadores rápidos e que sabem fazer bem o abafa. Tanto que, no primeiro jogo, o Neymar quase fez o gol para o Santos e o Corinthians recuperou a bola e por pouco não marcou com o Bruno César", lembrou.

Mas, apesar de respeitar a força corintiana, Rafael considera que o título está mais perto do Santos. "Temos uma oportunidade de ouro para ganhar o segundo título paulista seguido, e diante da nossa torcida.""

O goleiro acredita que essa nova geração de jogadores da Vila, que tem em Neymar e Paulo Henrique Ganso seus símbolos, tem tudo para entrar na história santista. "No ano passado, fizemos história conquistando pela primeira vez a Copa do Brasil para o Santos e agora temos a chance de ganhar a primeira decisão de Campeonato Paulista na Vila Belmiro neste sistema de disputa", concluiu Rafael.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.