Rafaela Silva diz que já pensa na disputa por equipes no Mundial

Brasileira cai na disputa do bronze diante de francesa. 'Tenho de dar o meu melhor porque tem outras atletas que dependem de mim', diz

Estadão Conteúdo

27 de agosto de 2014 | 13h01

Primeira brasileira a conquistar uma medalha de ouro em um Mundial de judô, Rafaela Silva não teve êxito na sua defesa do título de 2013 no Rio ao perder nas quartas de final para a mongol Sumiya Dorjsuren. Depois, até se recuperou na repescagem, mas acabou sendo batida na disputa do bronze pela francesa Automne Pavia. Decepcionada com o seu desempenho, ela prometeu levantar a cabeça para o torneio por equipes, no próximo domingo, em Chelyabinsk, na Rússia, onde está sendo realizado o torneio.

"Essa disputa do bronze poderia ter sido a final porque são duas atletas fortes. Infelizmente, foi na disputa do bronze e eu fiquei fora do pódio. Mas tem que ficar com a cabeça erguida. É descansar para voltar para a disputa por equipes no domingo. Tenho que dar o meu melhor porque tem outras atletas que dependem de mim. Já que não veio a medalha no individual, vamos buscar o pódio por equipes", disse.

Sobre a derrota para a mongol Sumiya Dorjsuren, Rafaela avaliou que ter ficado em desvantagem desde o começo da luta a atrapalhou. "Era uma adversária forte e eu já tinha sido derrotada por ela. Sair perdendo é complicado mas consegui buscar a pontuação a tempo. Só que ela ficou se jogando na minha frente, não me deixou encaixar a pegada e não consegui entrar o golpe que me daria a vitória", comentou.

Em seu quinto Mundial, Rafaela Silva agora acumula dois pódios - medalha de prata em 2011 e de ouro em 2013 - e quatro disputas de medalha. E a atual vice-líder do ranking entre as leves (até 57kg) destacou o alto nível desta edição da competição, que foi vencida na sua categoria pela japonesa Nae Udaka.

"O Mundial estava com um nível muito alto. Várias atletas fortes, medalhistas olímpicas e em mundiais ficaram fora do pódio. Eu sabia que muito mais difícil que chegar no topo, era se manter. Então, agora é voltar, treinar forte para voltar ao topo do pódio. Quero continuar crescendo como atleta e buscar o ouro na Olimpíada", disse Rafaela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.