Rafting: brasileiros na África

De remo na mão e capacete ainda na cabeça, o catarinense Udilon Ewald, de 41 anos, sobe sereno pelas rochas às margens do Rio Zambezi, no sul de Zâmbia. A aparência lembra a de Golias, um gigante de mãos enormes e ira capaz de desafiar um povo inteiro. Sua índole, no entanto, é outra. Pacato e dócil, esse agricultor brasileiro vai seguindo o caminho das pedras para, lá em cima, encontrar os companheiros de rafting, que haviam acabado de participar da primeira etapa do 6º Camel White Water, principal competição do esporte no mundo.Leia mais no Estadão

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.