Raro equilíbrio na luta pela Bola de Ouro

História favorece os campeões espanhóis. Porém, boas atuações colocam Forlán e [br]Sneidjer na disputa

André Cardoso, enviado especial em Johannesburgo, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2010 | 00h00

A disputa pelo prêmio de melhor jogador do mundo em 2010, a ser entregue pela Fifa em janeiro, está aberta. Tradicionalmente, a Copa do Mundo costuma definir o vencedor da eleição. Dessa vez, porém, a competição na África do Sul terminou sem um favorito absoluto ao posto. Assim, os principais candidatos têm o segundo semestre para provar que merecem receber a honraria.

Criado pela Fifa em 1991, o prêmio é definido por meio dos votos dos técnicos e capitães de todas as seleções nacionais filiadas à entidade. A partir deste ano, como houve uma fusão com a tradicional Bola de Ouro, entregue pela revista francesa France Football, a eleição contará também com a participação de jornalistas. E o nome unificado passa a ser Bola de Ouro da Fifa.

Desde sua criação, o prêmio da Fifa sempre vai para um jogador da seleção campeã em ano de Copa. Foi assim com Romário (1994), Zidane (1998), Ronaldo (2002) e Cannavaro (2006). Diante desse histórico, os espanhóis aparecem como favoritos em 2010. Porém, astros de outros países podem surpreender.

Entre os espanhóis, que conquistaram o título no domingo, três nomes aparecem como possíveis vencedores. Um dos artilheiros da Copa, com 5 gols, o atacante David Villa é um deles. Os outros são os meias Xavi e Iniesta, responsáveis pelo refinado toque de bola da seleção e do elogiado Barcelona.

Mas, apesar de a Espanha ter conquistado o título, o prêmio de melhor jogador da Copa não foi para um espanhol. O vencedor da eleição foi o atacante Diego Forlán, que também marcou 5 gols e levou o Uruguai ao quarto lugar ? ele recebeu 23,4% dos votos dos jornalistas que trabalharam durante a competição. Por isso, ele surge como um dos candidatos na disputa da Fifa.

Sneijder. Forlán tem suas chances, mas o maior candidato a desbancar um espanhol no prêmio da Fifa é o meia holandês Sneijder. No primeiro semestre, ele foi brilhante na campanha perfeita da Internazionale de Milão, que conquistou os títulos da Copa da Itália, do Campeonato Italiano e da Liga dos Campeões da Europa. Depois, com a camisa 10 laranja, foi decisivo para a Holanda chegar ao vice-campeonato mundial na África do Sul.

Ainda é possível incluir nessa disputa o genial Messi, eleito pela Fifa como o melhor jogador do mundo no ano passado. Mas ele terá dificuldades para repetir a dose em 2010. Apesar das atuações brilhantes com a camisa do Barcelona no primeiro semestre, Messi fracassou com a Argentina na disputa da Copa, sendo eliminado nas quartas de final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.