Real destroça Barça no Camp Nou

Time de Mourinho vence por 3 a 1, com dois gols de Cristiano Ronaldo, e vai à final do tradicional torneio da Espanha

BARCELONA, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2013 | 02h08

Um banho de bola. Foi isso que o Real Madrid deu no Barcelona ontem, em pleno Camp Nou. Venceu por 3 a 1, com grande atuação de seu astro, Cristiano Ronaldo - enquanto a estrela adversária, Messi, quase não foi vista em campo -, e se garantiu na decisão da Copa do Rei de maneira contundente. Espera agora Sevilla ou Atlético de Madrid, que se enfrentam hoje, para a final de 18 de maio.

Acostumado a arrasar adversários, o Barça sentiu ontem o gosto de ser triturado. E o sabor foi ainda mais amargo porque a surra aplicada pelo seu maior rival não pode ser contestada. O Real deu um show de garra, disciplina tática e inteligência. Dominou todo o jogo e em nenhum momento correu risco. Tanto que o gol do Barcelona só saiu aos 43 minutos da etapa final, quando a partida estava mais do que decidida.

Para o Real, a vitória dá moral para o jogo contra o Manchester United, na terça-feira, quando tentará vaga nas quartas de final da Copa dos Campeões.

"Fizemos uma grande partida, jogamos sério, tivemos atitude'', comemorou o herói do Madrid, Cristiano Ronaldo. "A equipe está em grande fase.''

O Barcelona, por seu turno, vai precisar superar o baque sofrido ontem com certa rapidez, pois no dia 12 de março, no confronto de volta com o Milan pelo torneio continental, terá de reverter a vantagem de dois gols a favor do time italiano se quiser continuar na luta pelo título.

"Temos compromissos mais importantes do que a Copa do Rei'', desdenhou o presidente do Barça, Sandro Rosell, de sorriso amarelo com a derrota.

José Mourinho surpreendeu ao colocar o time no ataque. E precisou de apenas 13 minutos para chegar ao primeiro gol. Cristiano Ronaldo sofreu pênalti de Piqué e o próprio português cobrou, no canto direito de Pinto.

Com a vantagem, o Real recuou o suficiente para fazer o Barcelona se lançar e lhe dar espaços para contra-atacar. E mostrou também uma grande eficiência na marcação. Deixava o adversário tocar a bola, mas não permitia a penetração. E quando a roubava, saía em velocidade.

No segundo tempo, a superioridade da equipe madrilenha ficou ainda mais clara. Isso porque logo aos 8 minutos Cristiano Ronaldo marcou o segundo, ao pegar livre na área o rebote de Pinto num chute de Khedira.

Pelo sexto jogo seguido, o português marcou contra o maior adversário do Real. E ontem fez por merecer. Além dos gols, participou de várias jogadas, correu por todos os setores do ataque e até ajudou a defesa, roubando bolas quase na linha de fundo.

Com o segundo gol, o Barça, por alguns momentos, mostrou algo incomum: descontrole, erros de passe, desânimo. E levou o terceiro quando Varane subiu livre e acertou o ângulo de cabeça após escanteio, aos 23. O gol de Jordi Alba, com passe de Iniesta, aos 43, não tirou o brilho do acachapante triunfo do Real.

Sábado, as duas equipes voltam a se enfrentar, desta vez pelo Campeonato Espanhol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.