Real Madrid tenta superar a crise contra o Bétis

Segundo jornal espanhol, José Mourinho está em atrito com o presidente do Real. Rival de hoje é o sexto colocado

O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2012 | 02h03

Além de duelar com um rival conhecido no Campeonato Espanhol (o Barcelona, líder com 34 pontos) e outro adversário de última hora (o Atlético de Madrid, vice-líder, com 31), o terceiro colocado Real Madrid terá de conviver com uma nova crise interna hoje, no início da 5ª rodada do torneio, quando vai enfrentar o Bétis fora de casa.

De acordo com o jornal El País, um dos mais conceituados da Espanha, o presidente Florentino Pérez recusou os últimos pedidos do técnico José Mourinho e condicionou-os à conquista da Copa dos Campeões - o Real Madrid já está classificado para a próxima fase.

Dentre os pedidos de Mourinho estão a contratação de uma "sombra" para o goleiro Casillas e uma reprimenda aos jogadores Sergio Ramos e ao próprio Casillas, que teriam sido desrespeitosos com o treinador. Além disso, o treinador exige a negociação de Kaká. O "não" do presidente teria iniciado o "estado da ira" do técnico madrilenho.

Nesse clima tenso, foi o auxiliar técnico Aitor Karanka quem anunciou o planos para o jogo de hoje, reclamando do cansaço após a partida contra o City, quarta, pela Copa dos Campeões. "Não será fácil vencer. O Bétis está fazendo uma bela campanha (é o 6º colocado, com 19 pontos). Além disso, teremos de fazer algumas mudanças por causa do desgaste físico."

O Real tenta alcançar sua sexta vitória seguida. O alemão Mesut Özil volta ao time depois de ser poupado no jogo contra o Manchester City. Marcelo, Essien e Higuaín permanecem fora por contusão.

United em campo. Pelo Campeonato Inglês, o Manchester United recebe o Queens Park Rangers no Estádio Old Trafford em um jogo festivo. Ontem, o clube inaugurou uma estátua em homenagem ao técnico Alex Ferguson, que está há 26 anos no cargo. Ela foi erguida em frente à arquibancada que já leva o seu nome. "Normalmente, as pessoas morrem e não veem sua estátua. Estou superando a morte", declarou.

Para a festa ser completa, Ferguson conta dois fatos. Um deles é a vitória diante do lanterna do torneio, que acabou de demitir o treinador Mark Hughes e não vence há 12 jogos. O segundo fato seria um tropeço do líder City diante do Chelsea, no clássico da rodada, amanhã. Com essa combinação, o United assumiria a ponta da competição - a diferença dos dois times hoje é de um ponto (28 a 27).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.