Real revive galácticos para frear o Barcelona

Os dois gigantes da Espanha iniciam competição com amplo favoritismo

Jamil Chade, BARCELONA, O Estadao de S.Paulo

29 de agosto de 2009 | 00h00

De um lado, o Barcelona venceu tudo na última temporada e nesta conquistou o segundo troféu ontem, ao bater o Shakhtar Donetsk por 1 a 0 na final da Supercopa da Europa. De outro, o Real Madrid montou o time mais caro do mundo, em transações recordes. O duelo é a grande atração do Campeonato Espanhol, que se inicia hoje com a ambição de se tornar a liga nacional mais poderosa do planeta. A disparidade, porém, é indisfarçável. Oito dos 20 clubes estão em concordata, com dívidas que chegam a 2,8 bilhões. Na abertura, até o pontapé inicial para Real Madrid e La Coruña, às 15 horas, é promessa de show. Para iniciar a partida no Santiago Bernabéu, foi convidado o astro jamaicano do atletismo Usain Bolt. Tudo o que envolve a Liga Espanhola é grandioso: juntos, os times gastaram 435 milhões (cerca de R$ 1,17 bilhão) em contratações. O valor é o equivalente à receita somada de todos os clubes brasileiros da Série A. O Real gastou, sozinho, 249 milhões - o mesmo que todos os times ingleses em contratações. Para isso, o presidente Florentino Perez usou sua influência de empresário bem-sucedido para conseguir empréstimos generosos dos principais bancos europeus. No desfile de estrelas, Cristiano Ronaldo, Kaká, Benzema e Xavi Alonso. No papel, o único capaz de batê-los é o atual campeão, o Barcelona. O time catalão manteve o craque argentino Messi e se reforçou com o sueco Ibrahimovic, em um elenco que já conta com Henry, Xavi e Iniesta.Bem menos badalados, Sevilla e Villarreal fizeram bons investimentos e podem surpreender. Os demais clubes, porém, dificilmente vão conseguir passar da posição de figurantes. A supremacia do futebol inglês, que atrai as atenções nos últimos anos, passa a ficar ameaçada. "Eles (os espanhois) têm a melhor liga do mundo hoje", disse o zagueiro Rio Ferdinand, do Manchester United. O aguardado primeiro clássico entre Barça e Real ocorre no fim de novembro, no Camp Nou, e os ingressos seguem a lógica dos custos do Espanhol. Para ver o jogo, o torcedor terá de pagar, em média, 350.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.