Kim Kyung-Hoon|Reuters
  Kim Kyung-Hoon|Reuters

  Kim Kyung-Hoon|Reuters

Rebeca tem melhor ano da carreira, é reconhecida no Brasil e retoma treinos visando Paris-2024

Atleta aproveita a fama, realiza sonhos, como conhecer os Parques da Disney, nos EUA, e consegue ser escolhida por 12 patrocinadores, feito reservado apenas aos grandes competidores

Paulo Favero , O Estado de S.Paulo

Atualizado

  Kim Kyung-Hoon|Reuters

As fotos em suas redes sociais mostram a realização de um sonho de infância: conhecer os famosos parques da Disney nos Estados Unidos. A ginasta Rebeca Andrade conseguiu, aos 22 anos, ter a alegria de visitar os lugares que faziam parte de sua imaginação desde pequena. Ela foi para lá de férias, após a sensação de dever cumprido na temporada mais vitoriosa de sua carreira, que incluiu os títulos olímpico e mundial no currículo. Nos rosto ainda de menina, seus feitos são de gente grande, a ponto de receber cumprimentos de Simone Biles e também da lenda Nadia Comaneci.

Se antes dos Jogos de Tóquio, Rebeca era conhecida apenas pelos amantes da modalidade e por especialistas, depois de conquistar uma medalha de ouro e uma de prata no Japão, a menina de gestos precisos e limpos retornou ao Brasil como celebridade e teve sua vida transformada. Participou de programas de televisão e eventos dos mais diversos, multiplicou o número de patrocinadores e parceiros, viu crescer a quantidade de seguidores nas redes e se tornou um dos maiores nomes do esporte no Brasil na atualidade. Seu rosto está por aí, como naquelas telas colocadas em muitos elevadores de prédios que exibem notícias e propagandas. Rebeca virou uma estrela.

A atleta nasceu em Guarulhos, na Grande São Paulo, e iniciou na ginástica artística aos 4 anos. Sua tia trabalhava no ginásio e contou para a menina que estava tendo um processo seletivo para novas ginastas. "Eu fui lá e fiz as coisas que pediam com muita facilidade. Isso acabou chamando a atenção deles e passei nessa peneira", contou.

De família humilde, desde o começo precisou batalhar para se manter no esporte, por causa das dificuldades financeiras dos pais. A mãe trabalhava como diarista e muitas vezes ia a pé para o serviço para deixar o dinheiro da condução para a filha poder treinar. Segundo Francisco Porath Neto, técnico da atleta, a ginasta sempre mostrou força para vencer os desafios.

"A chave é não ter desistido em nenhum momento. No primeiro obstáculo, que achávamos enorme, não desistimos, depois veio um maior ainda, mas continuamos persistindo. Se for contar desde o começo, os obstáculos eram enormes. Falta de estrutura, a gente teve de sair de onde estávamos e a Rebeca teve de ir com a gente. Até chegar em uma estrutura que temos hoje do Comitê Olímpico, demorou um certo tempo. Muitas atletas desistem e não passam dessa etapa", revela o treinador.

A mãe se virava para manter a família de sete filhos, e para conseguir que Rebeca treinasse. Deixou a menina morar com a tia, com o técnico, com a coordenadora e ainda com outras atletas. Dona Rosa confessa que recebeu muitas críticas por isso, mas sempre manteve a cabeça aberta para deixar a filha seguir seus sonhos.

O talento de Rebeca era evidente, mas as lesões atrapalharam bastante. Ela foi submetida a três cirurgias no joelho direito, a última delas extremamente complicada. Até por isso, a ginasta reforçou a importância do trabalho emocional. "Precisa ter a cabeça muito boa, pois ficar longe da ginástica é muito difícil. Uma cirurgia dessas são oito meses para voltar", diz porque passou por isso.

Dessa forma, o adiamento dos Jogos de Tóquio por causa da pandemia de covid-19 foi uma boa notícia para Rebeca, que pôde treinar mais e se recuperar das lesões. "O adiamento foi muito bom, pois se a Olimpíada fosse em 2020 seria muito arriscado." Se nos Jogos do Rio, quando tinha apenas 17 anos, ela ficou na 11ª posição no individual geral e viu Simone Biles, dos Estados Unidos, fazer história, em Tóquio ela chegou saudável para brilhar.

A brasileira conquistou a medalha de prata no individual geral, prova que reúne todos os aparelhos e premia as ginastas mais completas da competição. Depois, ganhou a medalha de ouro no salto, com uma exibição que encantou os juízes no Japão. "Eu tive muitas pessoas para me ajudar e sei que existem muitos talentos por aí que também precisam de ajuda", disse.

O ano será decisivo para a ginasta brasileiro se preparar já de olho nos Jogos de Paris. A fase de descanso e de aproveitar a vida por causa de suas conquistas dará lugar a uma rotina de treino e provas que ela já conhece bem. E sabe que tudo valerá a pena.

Os dois pódios olímpicos projetaram Rebeca Andrade para o mundo. Depois ela conquistou a medalha de ouro no salto e a de prata nas barras assimétricas no Mundial de Ginástica Artística no Japão também. Mais recentemente, foi eleita a Melhor Atleta do Ano no Prêmio Brasil Olímpico. Renovou com seu clube, o Flamengo, até os Jogos de Paris, em 2024, e atingiu a marca de 12 patrocinadores ao mesmo tempo. Somente os atletas de elite conseguem esse feito.

Com um ano histórico para ela e para a ginástica artística do Brasil, Rebeca já começa a fazer planos para o futuro. Em outubro haverá o Mundial em Liverpool, na Inglaterra. Lá ela pretende se consolidar como um dos grandes nomes da modalidade no cenário mundial. Talvez tenha como rival a americana Simone Biles, que desistiu de competir em Tóquio porque estava desgastada mentalnente. E enquanto se prepara, vai aproveitando para colher os frutos de toda dedicação que teve até agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.