Rebeca Andrade estreia no adulto 3 anos após 1º brasileiro de ginástica

Revelada pelo Flamengo, atleta competirá em Liubliana, Eslovênia

Estadão Conteúdo

30 Março 2015 | 18h34

Foram três anos de uma longa espera, mas chegou o dia. Nesta sexta-feira, em Liubliana, na Eslovênia, a jovem ginasta Rebeca Andrade vai, enfim, competir pela primeira vez no adulto. A atleta revelada pelo Flamengo conquistou seu primeiro título brasileiro em maio de 2012 e, desde então, é a mais completa ginasta do País. Mas só em 2015 ela completará 16 anos, e por isso só neste ano foi autorizada a competir internacionalmente.

No ano passado, seria Rebeca a brasileira a participar dos Jogos Olímpicos da Juventude, em Nanquim. Mas a flamenguista se machucou e acabou substituída por Flávia Saraiva, que voltou da China com três medalhas: ouro no solo, prata no salto e no individual geral.

Antes mesmo de fazer sua primeira competição como adulta, aos 15 anos, Rebeca já carrega nas costas uma enorme responsabilidade. Afinal, o Brasil depende dos resultados dela e de Flávia para deixar a posição de coadjuvante na ginástica artística mundial para se tornar candidato a medalhas no Rio-2016.

Além da atleta do Flamengo, a seleção feminina que vai competir em Liubliana, de sexta a domingo, tem outras duas atletas da nova geração: Julie Kim Sinmon, de 17 anos, Lorrane Oliveira, de 16. As duas brigam por uma vaga na equipe que vai ao Mundial de Glasgow - se ninguém se machucar, Rebeca, Flávia, Daniele Hypolito e Jade Barbosa são nomes certos.

No masculino, há muito mais opções para os técnicos da seleção brasileira. Tanto que a equipe que competir em Liubliana tem só dois dos 12 atletas que fazem parte da seleção: os garotos Ângelo Assumpção, de 18 anos, Fellipe Arakawa, de 20. A eles se somam dois ginastas mais experientes, que vivem bom momento e serão testados: Hudson Miguel, de 22, e Renato Oliveira, de 24.

"Nós optamos por colocar esses meninos mais jovens para analisarmos o potencial deles em eventos internacionais. A nossa expectativa para essa competição é testar. Nós vamos trabalhar para chegar a alguma final, se possível, mas o principal objetivo é avaliar o potencial de cada um e também a possibilidade de contarmos ou não com eles na equipe principal", explicou Leonardo Finco, coordenador da equipe.

Mais conteúdo sobre:
ginástica artística Rebeca Andrade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.