REUTERS/Lindsey Wasson
REUTERS/Lindsey Wasson

Rebeca Andrade será embaixadora dos Jogos da Juventude: 'É uma honra'

'Fiquei muito feliz com o convite do COB', contou a campeão olímpica e mundial, de apenas 23 anos

Redação, Estadão Conteúdo

29 de julho de 2022 | 12h32
Atualizado 29 de julho de 2022 | 12h32

Aos 23 anos, Rebeca Andrade já tem no currículo um título mundial e um olímpico. A carreira já bem-sucedida vai servir de inspiração para centenas de jovens que vão competir nos Jogos da Juventude, em Aracaju, neste ano. A ginasta foi escolhida pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) para ser uma das embaixadoras do evento.

"Fiquei muito feliz com o convite do COB. Incentivar o esporte na base, estimular hábitos saudáveis e valores do esporte para jovens e crianças é fundamental não apenas para a formação de atletas, mas também de cidadãos de bem. Ser embaixadora dos Jogos da Juventude é uma honra e minha missão é inspirar essa garotada com mensagens e bons exemplos, assim como fui inspirada por tantos grandes atletas quando eu ainda era uma menina que sonhava em ser atleta", afirmou a atleta, uma das sensações do Brasil na Olimpíada de Tóquio.

A escolha de Rebeca coincide com a estreia da ginástica artística no programa dos Jogos da Juventude, que voltam a ser disputados neste ano após dois anos, em razão da pandemia de covid-19. Em Aracaju, durante a competição (entre 2 e 17 de setembro), a ginasta vai interagir com atletas da nova geração e deve servir de inspiração para os mais jovens de todas as modalidades.

Rebeca não será a única embaixadora. Nas próximas semanas, o COB deve anunciar outros nomes. Com eles, a entidade espera levar experiência e aprendizados aos atletas mais jovens

"Para muitos, os Jogos da Juventude são a porta de entrada para o sonho olímpico e nós queremos proporcionar um contato com os grandes ídolos do esporte brasileiro. Queremos que os melhores atletas de até 17 anos do país tenham inspiração e cada vez mais vontade de dar continuidade em suas trajetórias, buscando sempre a excelência para que em alguns anos eles também estejam entre os melhores atletas do mundo", afirmou Kenji Saito, diretor de Desenvolvimento e Ciências do Esporte do COB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.