Arquivo/AE
Arquivo/AE

Rebeca é absolvida da acusação de falsidade ideológica

Nadadora brasileira é considerada inocente pela 27.ª Vara Criminal do Rio de Janeiro por falta de provas

EFE,

11 de agosto de 2009 | 18h51

RIO - A 27.ª Vara Criminal do Rio de Janeiro absolveu nesta terça-feira a nadadora brasileira Rebeca Gusmão da acusação de falsidade ideológica. Ela era suspeita de ter alterado mostras de urina para evitar ser flagrada no exame antidoping durante os Jogos Pan-Americanos do Rio, em 2007.

No Pan, ela se submeteu a três exames e apenas um deles deu positivo para o uso de testosterona.

O juiz Flavio Itabaiana de Oliveira Nicolau, no entanto, absolveu a atleta alegando falta de provas. Segundo ele, o Laboratório Ladetec enviou para o exame de doping um frasco com uma numeração diferente daquele entregue lacrado pela nadadora.

"A garantia de qualquer atleta está exatamente no número do documento relativo à coleta das amostras ser o mesmo dos frascos das amostras", disse o magistrado em sua sentença. Segundo ele, a troca do exame de frasco foi feita longe da presença de Rebeca.

Rebeca Gusmão, que teve que devolveu as quatro medalhas conquistadas no Pan do Rio (ouro nos 50 e 100 metros livre, prata no revezamento 4x100 livre e bronze no 4x100 medley) continua banida da natação por ter duas suspensões por doping (no Pan de 2007 e no torneio José Finkel em 2006). Para voltar ao esporte, ela espera uma decisão favorável da Corte Arbitral do Esporte (CAS).

Tudo o que sabemos sobre:
nataçãodopingRebeca Gusmão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.