Recorde de Bolt estava previsto para 2030, dizem matemáticos

O tempo de 9,69 segundos do velocista jamaicano, em Pequim, surpreendeu os estudiosos norte-americanos

Ansa

27 de agosto de 2008 | 11h52

O velocista jamaicano, Usain Bolt, dono de três medalhas de ouro e de três recordes mundiais nos Jogos Olímpicos de Pequim, bateu também todas as previsões estatísticas. Segundo um modelo matemático elaborado com base no último recorde mundial, o tempo de 9,69 segundos nos 100 metros, obtido por Bolt, só poderia ser atingido em 2030.De acordo com opiniões de diversos matemáticos e físicos reproduzidas no site da revista Wired, até agora esse modelo matemático tinha sido capaz de prever com precisão os constantes progressos dos velocistas, tomando o tempo de 9,45 segundos como limite insuperável para os atletas."Com esses novos dados, o tempo previsto para os 100 metros provavelmente estará destinado a se reduzir ainda mais", explica o matemático da Bloomsberg University da Pensilvânia, Reza Noubary.A revista ainda relata que a alguns anos atrás o físico da Loyola Marymount University de Los Angeles, Jonas Mureika, tinha criado um modelo que havia previsto um tempo parecido com o de Bolt para 2009. Mas o físico, impressionado frente a essa previsão "incrível", decidiu não publicar o resultado de seu trabalho na época."O recorde na época era de 9,79s e [o modelo] previa esses tempos malucos, que diminuiriam para 9,6s em 2009", disse Mureka. "Eu pensei que aquilo era fora da realidade, o progresso não seria tão rápido. Todo dia que eu penso nisso, eu me chuto. Esse é o meu castigo por duvidar dos números".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.