Recuperação é a meta de Klever Kolberg no Rali dos Sertões

A caravana do Rali Internacional dos Sertões segue nesta quarta-feira de Seabra, na região da Chapada Diamantina, para Brumado, na Bahia, com percurso de 302 quilômetros, sendo 140 quilômetros de trecho cronometrado. Até agora, dos 158 veículos que largaram para a prova, apenas 115 seguem na competição 68 motos, 38 carros e 9 caminhões.Muitos pilotos ficaram pelo meio do caminho depois de sofrerem no deserto do Jalapão, no Tocantins, com percurso de mais de 600 quilômetros. Era considerada a etapa mais difícil da competição, por conta do longo trecho de solo arenoso e sem auxílio mecânico.O experiente Klever Kolberg foi um dos pilotos que judiou de seu carro. Com um problema mecânico (pistão furado), ele cumpriu a etapa "arrastado" e ultrapassou o tempo limite para concluir a prova, que é estabelecido pela organização. Foi penalizado. Ele e seu navegador Eduardo Bampi, que competem pela equipe Petrobrás/Lubrax, chegaram a liderar duas etapas e sofreram um duro golpe ao caírem da primeira para 30ª posição.Favoritos como Guilherme Spinelli e Marcelo Vívolo (Mitsubishi) abandonaram a prova com a justificativa de que não teriam mais chances de vencer. Mas Kolberg não teve a mesma atitude. Bicampeão do Sertões, ele decidiu continuar na prova, mesmo sabendo que não tem mais chance de título. Deu a volta por cima e ganhou a quinta etapa entre Barra e Seabra, na Bahia. Agora, já figura entre os vinte colocados.?É importante vencer uma etapa no Sertões, assim como é importante para um piloto de Fórmula 1 vencer uma etapa do circuito mundial. A gente tenta o possível e o impossível. Mas sabemos que milagre é para santo e como somos santos...não vai ter milagre?, disse Kolberg.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.