Redelen fica muito feliz com resultado

Redelen dos Santos deixou o Estádio Olímpico do Pará, neste domingo, muito feliz com o seu resultado nos 110 metros com barreiras. Ganhou a medalha de ouro, igualou o recorde do Grande Prêmio, com a marca de 13s30, e confirmou a posição de primeiro atleta do ranking. Redelen superou todos os seus rivais, na única prova que tem mais atletas com índices do que vagas disponíveis para o Mundial de Helsinque, em agosto. São três vagas por país, por prova. E o Brasil tem quatro atletas classificados. Irão os três mais rápidos. O barreirista Redelen cravou 13s30, ficou a um centésimo de segundo do melhor tempo de sua carreira (13s29, recorde sul-americano, de 2004), e dificilmente será superado pelos seus adversários na briga pela vaga ao Mundial. Este ano, Matheus Inocêncio tem 13s37 - ontem foi o segundo colocado no GP, com 13s40. Márcio Simão, que não correu em Belém, tem 13s48, e Anselmo Gomes da Silva foi o quinto em Belém, com o seu melhor tempo da temporada, 13s52. A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) fixou o dia 26 de julho como último prazo para a obtenção de índices. "Que bom que quatro atletas continuam brigando para ir ao Mundial, como no ano passado, quando os índices eram para a Olimpíada", observou Redelen, que já havia feito 13s30, em Doha, há dez dias. Na Olimpíada de Atenas o atleta aqueceu, mas não chegou a alinhar na sua classificatória por causa de uma lesão. Redelen deixou o estádio às lágrimas, mas garante que isso já é passado. "Foi uma experiência de vida. Mas sou guerreiro e agora estou pensando no Mundial."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.