Imagem Reginaldo Leme
Colunista
Reginaldo Leme
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Regras novas para 2014

A temporada de 2014 já é discutida em várias categorias internacionais e também na Stock Car brasileira. A Fórmula-1 enfrenta a mais radical mudança de regulamento desde as tentativas de equiparação entre os motores com e sem compressor dos cinco primeiros anos de Mundial (de 1950 a 1954). A categoria que já teve motores de 12 cilindros, 10 e 8, passa a ter 6 cilindros, com redução da capacidade dos atuais 2.400 centímetros cúbicos para 1.600, e verá a potência e o consumo caírem drasticamente. Em 1984, quando, pela primeira vez se estabeleceu um limite de consumo, o número era 220 litros e em 2014 será de 120 litros. Na F-1 dos anos 80, quando havia bem menos restrições, os motores BMW da Brabham de Piquet, assim como os Renault da Lotus de Senna, em configuração de classificação, alcançavam a potência de 1.300 HP, que é o dobro da potência estimada para os motores do ano que vem. Mercedes-Benz, Renault e Ferrari serão os motores à disposição das equipes em 2014, e a Honda entra em 2015.

REGINALDO LEME,

19 de outubro de 2013 | 02h15

Com todas essas mudanças, o Mundial de 2014 ganha uma característica nova, que é essa relação de consumo e potência. Por conta da limitação do consumo a 120 litros, mesmo essa potência já reduzida nem sempre poderá ser usada a pleno. É possível que, em algum momento da corrida, um piloto tenha mais ou menos liberdade para acelerar. Equipes e pilotos também terão de se adaptar ao uso de dois diferentes sistemas de recuperação de energia, o que tem um significado especial dentro do que a FIA planeja para uma Fórmula-1 bem menos poluente no futuro. O próximo passo é o carro híbrido, como já acontece no Mundial de Endurance, que, por isso, merece uma atenção especial da FIA. Além das quatro séries de testes da pré-temporada, a F-1 volta a ter outros quatro testes durante o campeonato, que serão realizados na terça e quarta da semana após os GPs de Barein, Espanha, Inglaterra e Abu Dabi.

Com a Stock Car as mudanças não serão técnicas, mas esportivas. O campeonato de 2014 terá um diferente formato. Das doze etapas atuais, nove serão disputadas em rodadas duplas, com as duas corridas no domingo e com um intervalo entre elas de apenas 20 minutos. A ordem de largada da segunda é definida pela ordem de chegada da primeira, com inversão de posição entre os oito primeiros colocados, como já acontece em algumas categorias internacionais. O reabastecimento deixa de ser obrigatório, mas será necessário e as equipes escolhem se querem fazer na primeira ou na segunda corrida. Não pode ser feito no intervalo.

A corrida de abertura da temporada terá convidados ilustres, que podem ser pilotos brasileiros ou estrangeiros de qualquer categoria internacional como Indy, Nascar, GrandAm, FIA GT, Mundial de Endurance, GP2, World Series, DTM, MotoGP, Mundial de Rali e até a Fórmula-1. Cada um dos 34 pilotos que disputam regularmente o campeonato terão direito a convidar um parceiro. Mas para que seja mantido o equilíbrio entre as duplas, existem regras definidas. Por exemplo, o atual campeão Cacá Bueno, assim como Rubens Barrichello e os outros pilotos atuantes só podem escolher parceiros que nunca correram na Stock ou que participaram como convidados ocasionais.

Pilotos que venceram corridas ou foram campeões na Stock Car, os campeões das categorias de acesso e até os que tenham apenas corrido na Stock nos últimos cinco anos só podem fazer dupla com pilotos que tiverem estreado em 2013 ou que forem estreantes em 2014. Além dos que foram convidados ocasionais na Corrida do Milhão, como Jacques Villeneuve, Helinho Castroneves e Tony Kanaan, os nomes mais comentados até agora como futuros parceiros dos pilotos da Stock são: Bia Figueirdo, Osvaldo Negri, Christian Fittipaldi, Bruno Senna, Lucas di Grassi, Augusto Farfus (vice-campeão da DTM), Nelsinho Piquet, Miguel Paludo (Nascar), Vitantonio Liuzzi, Pedro Lamy, Giancarlo Fisichella (e outros ex-pilotos da F-1), Cristiano da Mata, Valentino Rossi, os brasileiros da World Series (Lucas Foresti, Yann Cunha, Andre Negrão, Pietro Fantin), Pipo Derani (F-3). Xandinho Negrão e Antonio Pizzonia, que participaram recentemente da Stock Car, só poderão fazer dupla com estreantes. Se ninguém tiver pensado ainda, vai aqui a sugestão de um nome de peso - Mika Hakkinen.

Tudo o que sabemos sobre:
REGINALDO LEME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.