Michael Steele/AFP
Michael Steele/AFP

Reino Unido vai testar reabertura de eventos esportivos com críquete, turfe e sinuca

Governo prepara série de avaliações para medir o impacto e tentar autorizar o retorno do público em todas as competições a partir de outubro

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2020 | 14h00

O governo do Reino Unido anunciou nesta sexta-feira um plano de ações para liberar gradativamente a presença de público nas competições esportivas. O objetivo é ter a liberação total no país em outubro. A partir do fim deste mês, estará autorizada a presença de espectadores em diferentes competições, como forma de criar um lista de eventos-teste e avaliar as medidas de seguração e possíveis propagações de casos do novo coronavírus. Entre as modalidades que serão avaliadas estão o críquete, a sinuca e o turfe, a tradicional corrida de cavalos.

A preocupação das autoridades foi escolher esportes com variadas configurações de ambiente e de localização no país. Apesar do Campeonato Inglês já ter sido retomado com os portões fechados, o país pretende realizar testes para conseguir permitir a presença do público em todos os eventos esportivos a partir de outubro deste ano, inclusive no futebol. "Embora ainda demore algum tempo até que os locais estejam lotados, este é um passo importante na direção certa para a retomada do esporte ao vivo em todo o país", disse o Ministro do Esporte do país, Nigel Huddleston.

O primeiro evento esportivo a ser testado com a presença de público será em 26 de julho, em Londres, jogo de críquete entre Surrey e Middlesex. Já no dia 31, será a vez de analisar os protocolos de segurança para um esporte disputado em ambientes fechados, a sinuca. O Mundial da modalidade, em Sheffield, é outro na lista de eventos-teste. Por fim, em 1º de agosto, a disputa observada pelo governo será uma tradicional corrida de cavalos realizada em Chicester.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Embora ainda demore algum tempo até que os locais estejam lotados, este é um passo importante na direção certa para a retomada do esporte ao vivo em todo o país
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Nigel Huddleston, Ministro do Esporte do Reino Undo

O governo garante ter conversado os organizadores dessas competições, com autoridades médicas, polícia e órgãos esportivos para estabelecer os cuidados com a circulação de pessoas. As instalações desses eventos terão marcações no chão para ajudar no distanciamento social nas filas, colocação de barreiras de segurança em lanchonetes e cabines de atendimento, distanciamento nos assentos e incentivo para o público utilizar somente veículos particulares para se deslocar.

"Durante meses, milhões de nós sentimos o vazio de não poder ir à partida para apoiar nossa equipe ou participar de um evento esportivo de primeira classe. Por isso, estou satisfeito por podermos avançar com um plano para ajudar os locais a reabrir com segurança suas portas ao público", afirmou Huddleston.

O país restringiu a presença de público em eventos esportivos em 23 de março. Nas últimas semanas, além do futebol, o críquete e o turfe já voltaram a ser realizados, mas também sem a presença de torcedores. As medidas anunciadas nesta sexta integram o chamado "testes de estresse", como definiu o governo, para avaliar o impacto do retorno do público. Em nota oficial, o governo britânico quer mensurar principalmente qual o número de possíveis novos infectados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.