Al Tielemans/ AFP
Al Tielemans/ AFP

Remadora americana paralímpica morre durante travessia da Califórnia ao Havaí

Angela Madsen, de 60 anos, foi encontrada morta em um barco de seis metros

Redação, Estadao Conteudo

24 de junho de 2020 | 22h19

A remadora americana Angela Madsen, de 60 anos, foi encontrada morta, segunda-feira, durante travessia no Oceano Pacífico, de Los Angeles ao Havaí. Ela estava sozinha em um barco de seis metros e tentava se tornar a primeira atleta paralímpica a completar o trajeto.

A Guarda Costeira dos EUA encontrou o corpo da remadora na segunda, e a causa oficial da morte ainda não foi revelada. "Com extrema tristeza devo anunciar que Angela Madsen não completará sua carreira solo no Havaí. O avião (de resgate) viu Angela na água, aparentemente morta, mas não conseguiu transmitir essas informações devido à fraca cobertura de satélite", escreveu Deb Madsen, mulher de Angela, nas redes sociais.

"Quando chequei a caixa de entrada da mensagem principal, ela não havia retornado nenhuma mensagem. Quando olhei para o rastreamento, não parecia que ela estava remando no barco, mas sim que estava flutuando", continuou Deb.

Veterinária da Marinha americana, Angela Madsen ficou paraplégica em 1993, por causa de um erro médico durante um cirurgia da coluna, após sofrer um acidente durante um jogo de basquete dos fuzileiros navais.

Angela foi submetida a um intenso tratamento e, posteriormente, passou a praticar esportes paralímpicos. Ganhou destaque no remo, esporte no qual ganhou várias medalhas de ouro em Mundiais. No atletismo, também ganhou uma medalha de bronze no arremesso de peso nos Jogos Paralímpicos de 2012, em Londres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.