Remo do Brasil elege seu novo presidente

Depois de três meses e meio sob intervenção, a Confederação Brasileira de Remo (CBR) tem um novo presidente: Wilson Reeberg, eleito neste sábado na sede da entidade, no Estádio de Remo da Lagoa (zona sul do Rio).

BRUNO LOUSADA, Agencia Estado

15 de agosto de 2009 | 17h22

Ele obteve voto de sete das oito federações estaduais aptas a participar do processo eleitoral - seis não constavam do pleito por não atenderem a requisitos estatutários. Sady Berber e Rodney Aráujo, os dois outros concorrentes ao cargo, nem sequer compareceram à assembleia deste sábado.

"Foi a campanha mais complicada que já vi no remo brasileiro. Durou 18 meses, foi desgastante, e dividiu o remo no País. Mas isso, certamente, um dia iria acontecer", disse Reeberg, eufórico com a vitória nas urnas. A CBR vive uma grande crise após denúncias de irregularidades na gestão de Rodney Araújo, afastado da presidência por decisão judicial.

O remo nacional esteve no centro de um escândalo recente, com o abandono de lanchas e catamarãs que serviram ao Pan de 2007. As embarcações estavam num matagal da Ilha do Fundão, na zona norte do Rio. "O objetivo, agora, é curar as feridas e trazer para o remo um novo espírito. Não de revanche, mas de contar com todos para voltar a elevar o nome desse esporte tão importante", prometeu Reeberg.

Ele tomou posse neste sábado mesmo e já listou as prioridades. "Quero equipar os clubes de todas as federações. Dar condições de trabalho. E vou apoiar os atletas que têm capacidade de representar bem o País em torneios internacionais."

Tudo o que sabemos sobre:
remoCBR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.