Remo está sob intervenção

Nova eleição para presidente da confederação nacional deve ser marcada até início de julho

Sílvio Barsetti e Bruno Lousada, O Estadao de S.Paulo

14 de maio de 2009 | 00h00

Um dos esportes mais tradicionais do País passa por uma crise sem precedentes. Desde o dia 4, a Confederação Brasileira de Remo (CBR) está sob intervenção, por ordem do desembargador Henrique de Andrade Figueira, da 17ª Câmara Cível da Justiça do Rio. Ele estabeleceu prazo de 90 dias para a realização de novas eleições - o pleito de 21 de março, que reelegeu Rodney Bernardes de Araújo, foi anulado por causa, de acordo com o magistrado, de uma série de irregularidades.Uma auditoria nas contas da CBR está em curso e o interventor Mauro Ney Palmeiro, ex-presidente do Botafogo, tem a missão de verificar quais das 14 federações estaduais têm condições de voto. "Quero concluir meu trabalho antes dos 90 dias, se possível até o início de julho, para acelerar o processo", disse o dirigente.Rodney está no comando da confederação desde 1991. Já cumpriu quatro mandatos. A decisão do desembargador teve como base uma liminar deferida em primeira instância pelo juiz Egas Moniz Barreto de Araújo Dáquer, da 26ª Vara Cível, que suspendeu a eleição de 21 de março. No entanto, o pleito foi realizado à revelia, num hotel de Adrianópolis, bairro de Manaus.Uma das alegações da Justiça era de que a Federação de Remo do Amazonas não estava apta a votar por conta do descumprimento "de disposições legais e estatutárias", pois mantém apenas dois clubes como filiados - "um que não existe fisicamente e outro que não oferece infraestrutura exigida para a prática do remo". O Amazonas votou pela reeleição de Rodney Bernardes.O despacho de Araújo Dáquer adverte que as associações esportivas "devem se preocupar em realizar seus objetivos, de forma consciente e digna, e não apenas se locupletarem com as verbas públicas". Rodney ?derrotou? o candidato de oposição, Wilson Reeberg, por 9 a 5. "Sofremos com as falhas no edital de convocação e a falta de informação da CBR. Não é só a federação de Manaus que está irregular. Outras não poderiam ter direito a voto", declarou Reeberg.O presidente afastado se irritou quando procurado pela reportagem. Indagado sobre a intervenção na CBR, Rodney Bernardes declarou: "Esse assunto eu não posso falar não. Estou impossibilitado de falar, tá? Tá bom? Nada a declarar." Sobre denúncias de irregularidades em sua gestão, rebateu."Deixa sair. Deixa sair."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.