Francisco Leong/AFP
Francisco Leong/AFP

República Checa e Portugal abrem quartas de final da Eurocopa

Segurança de goleiro e genialidade de atacante são as armas para 1.º confronto eliminatório

O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2012 | 03h07

VARSÓVIA - De um lado um atacante inspirado, com 60 gols na temporada com a camisa do Real Madrid e decisivo no momento mais importante de Portugal nesta Eurocopa, ao marcar os dois gols da virada e da vitória sobre a Holanda. Do outro, um goleiro tecnicamente perfeito, que levou um desacreditado Chelsea ao título da Copa dos Campeões e que fez a República Checa reagir de forma impressionante na competição europeia, depois de estrear perdendo por 4 a 1 para a Rússia. Assim, o confronto entre o atacante Cristiano Ronaldo e o goleiro Petr Cech é o resumo perfeito do duelo entre portugueses e checos nesta quinta-feira, às 15h45 (de Brasília, com transmissão ao vivo da rádio Estadão ESPN), em Varsóvia.

Empolgado pelos gols e bom futebol apresentado no domingo, na virada sobre a Holanda por 2 a 1, Cristiano Ronaldo acredita que as dificuldades da primeira fase ficaram para trás e entende que o time deve olhar com esperança para o futuro. "Tudo é possível a partir de agora", afirma.

Essa também é a opinião do meio-campista Raúl Meireles. "A partir de agora não há nenhum favorito."

Obviamente não é o que pensa o goleiro checo. "É evidente quem é o favorito. Porém, trataremos de demonstrar que os favoritos não necessariamente ganham sempre", disse Cech.

Apesar da confiança do time, que vem de uma reação surpreendente na primeira fase (estreou com derrota para a Rússia por 4 a 1 e ainda se classificou em primeiro no Grupo A após vencer a Grécia por 2 a 1 e a Polônia por 1 a 0), o técnico checo Michal Bilek tem uma preocupação extra: o capitão Tomas Rosicky deixou a Polônia e regressou a Praga para tratar de um problema no tendão de Aquiles, o que o obrigou a ficar fora da partida contra a Polônia. Nesta quarta-feira, regressou e treinou normalmente, mas sua presença ainda é dúvida.

"Treinei hoje (quarta) e amanhã (quinta) verei se poderei jogar. É preciso saber como meu corpo vai reagir após esse esforço", afirmou o jogador de 31 anos.

Bilek faz questão de destacar que, do lado português, a preocupação não pode ser apenas com o craque Cristiano Ronaldo. "Não estamos nos preparando para ele apenas, mas para todo o time português", diz. "Portugal é favorito, tem jogadores fortes, porém, se repetirmos a atuação dos últimos jogos, temos possibilidade de passar", assegura.

Já o técnico de Portugal, Paulo Bento, defende uma postura humilde para seu time seguir adiante na competição. "Se perdermos 1% da humildade, encontraremos muita dificuldade", comenta. "Neste jogo, são 50% de possibilidades para cada time. Precisamos de talento, organização, capacidade e humildade."

CONFIANÇA NO CRAQUE 

O meia português João Moutinho elogiou o capitão e principal estrela da equipe, o atacante Cristiano Ronaldo, ontem, durante a entrevista coletiva. "É um jogador completo. Não consigo apontar um ponto fraco nele. É um líder, é bom de cabeça, com os pés, tem velocidade e usa seu talento sempre a favor do time", comentou o meia.

"Ronaldo e Messi são os melhores do mundo. Eu particularmente considero o Ronaldo melhor ainda, porque é completo em todos os sentidos. Messi também, mas são diferentes e eu, se pudesse escolher um no meu time, ficaria com Ronaldo."

Apesar da presença do craque do lado português, Moutinho, de 25 anos, prevê uma partida dura e equilibrada hoje. "Como a gente, a República Checa também conseguiu a classificação em um grupo difícil. Eles também chegam com muita confiança."

Do lado checo, o meia Tomas Sivok aponta para a imprevisibilidade de uma partida como a de hoje. "Sei que, se eles (Portugal) estiverem num dia bom, será difícil para-los. Porém, também tem dias que as coisas não vão bem", aposta. "Não podemos permitir jogadas de bola parada, porque são estratégicas e eles são muito fortes. Temos de mostrar um jogo de equipe e bastante inteligente", filosofa.

VAGA NA SEMIFINAL 

O vencedor do confronto desta quinta-feira vai esperar o ganhador de Espanha e França, que se enfrentam sábado em Donetsk. Do outro lado das chaves, a Alemanha pega a Grécia, amanhã, enquanto Inglaterra e Itália duelam no domingo. Os vencedores se enfrentam na semifinal.

Nesta fase, como são jogos únicos, em caso de empate haverá prorrogação e, persistindo a igualdade, a vaga será decidida nos pênaltis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.