Reservas do São Paulo pegam o Millionários

Desgastados, vários titulares serão preservados do duelo das 21h45, no Morumbi

Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

10 de outubro de 2007 | 00h00

Conquistar a Copa Sul-Americana está, definitivamente, em segundo plano para o São Paulo. Em razão do desgaste físico do elenco e das lesões sofridas pelos jogadores nas últimas semanas, a comissão técnica passou a priorizar o Campeonato Brasileiro - no qual precisa, em tese, de mais quatro ou cinco vitórias para confirmar o título. Por isso, os jogadores que estiverem menos cansados vão enfrentar o Millionários, da Colômbia, às 21h45, no Morumbi, no jogo de ida das quartas-de-final - a volta será no dia 24, em Bogotá. ''''Este torneio está no calendário, então vamos jogar. Mas não há como forçar os jogadores, pois o risco de estourá-los é grande'''', resume o técnico Muricy Ramalho.O duelo com os colombianos será a chance para atletas como os laterais Jackson e Jadilson, o volante Fernando e o atacante Diego Tardelli, que atuaram pouco ao longo do ano, mostrarem serviço. A idéia é preservar os principais jogadores para os próximos confrontos, contra Fluminense e Cruzeiro, que podem decidir o Brasileiro. ''''Tivemos uma seqüência muito difícil de cinco jogos, todos decisivos'''', explica Muricy, que não concorda que o time tenha caído de rendimento nas derrotas para Flamengo e Corinthians. ''''Eles não foram tão superiores a nós. Isso não nos preocupa.''''CAUTELA E VONTADEOs cuidados da comissão técnica com o elenco estão maiores, conforme a seqüência de jogos fica mais exigente - e que fez o time perder, quase ao mesmo tempo, o goleiro Rogério Ceni e os atacantes Dagoberto e Borges, por lesão muscular. Ontem, o elenco fez um treino leve, apenas para corrigir o posicionamento. ''''Mesmo sem treinar com bola, a atividade é importante, porque perdemos os últimos jogos por detalhes de posicionamento'''', observa o volante Richarlyson. ''''Na próxima semana, teremos mais tempo para trabalhar'''', prevê Muricy Ramalho.Alguns, porém, nem pensam em diminuir o ritmo. É o caso do goleiro Bosco, que terá a chance de substituir Rogério Ceni. ''''Só atuei duas vezes este ano (contra o Marília, no Estadual, e num amistoso em Hong-Kong, contra o Bayern Munique), é claro que falta ritmo. Mas estou sempre pronto para aproveitar as chances que o Rogério dá, que não são muitas'''', brinca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.