Retorno à 1.ª Divisão faz Corinthians invadir livrarias

Rebaixamento e trajetória na 2.ª despertaram interesse de vários autores a contar o drama

Anelso Paixão, O Estadao de S.Paulo

31 de janeiro de 2009 | 00h00

Que o popular Corinthians, time da mais fiel e fanática torcida brasileira, sempre foi um bom produto, não resta dúvida. Porém, no último ano, mais do que nunca o time descobriu seu lado comercial. A diretoria incentivou seu departamento de marketing a agir. Outros segmentos também perceberam que o momento de paixão do torcedor por um time que tentava a reconstrução na 2ª Divisão do futebol nacional era interessante. Curiosamente, a literatura, setor mais refinado, também tirou proveito da fatia que o mercado lhe proporcionava.Em poucos meses, a invasão do nome Corinthians nas livrarias foi inevitável. A campanha na Série B do Campeonato Brasileiro se transformou em assunto para as mais variadas histórias, sempre contadas como um calvário do clube pelo Brasil afora. Nem mesmo a trajetória tranquila do time, sempre ocupando o primeiro lugar na classificação e com direito a acesso com seis rodadas de antecipação, mudou o quadro. O tema era perfeito. Afinal, o sofrimento do torcedor que começou no dia 2 de dezembro de 2007, no Estádio Olímpico, diante do Grêmio - data do rebaixamento -, e que prosseguiu durante todo o ano de 2008 pelos estádios da 2ª Divisão do futebol nacional, tinha tudo para vender. E bem."Eu pensei neste livro assim que voltei de Porto Alegre, um dia depois do rebaixamento. Na terça-feira, eu e o Maurício (Oliveira) fizemos um roteiro das viagens do time e chegamos à conclusão que poderia render boas histórias", conta o jornalista Rodrigo Vessoni, do diário Lance!, autor de A Reconstrução do Timão com o também jornalista Maurício Oliveira. "Quando o time caiu, imaginei que seria legal contar com o seria a volta, porque não havia a menor dúvida de que o time voltaria", diz Luis Augusto Simon, o Menon, repórter do Agora S.Paulo, autor de A Saga Corintiana. Todos garantem que não pensaram no retorno financeira - algo bastante difícil no mercado editorial brasileiro -, mas sim no retorno profissional que assinar um livro poderia render. "Achei que seria algo legal, onde poderia fazer uns textos diferentes, maiores do que faço normalmente para o jornal", explica Menon, que já comemora a venda de 680 exemplares dos 1.500 que foram produzidos. "Foi algo interessante para nossas carreiras. Nem pensamos no lado financeiro, tanto que até hoje nem assinamos contrato com a editora, que é do próprio jornal (Lance!). Ver o livro na rua foi o maior presente", garante Vessoni, que diz já terem sido vendidos 473 de 700 exemplares.O próprio Corinthians entrou no clima literário e resolveu oferecer o produto no site oficial do clube. Ali, o livro Eu Voltei, com imagens de Daniel Augusto Jr., fotógrafo da Agência Corinthians, é oferecido aos torcedores. A coletânea de fotos é uma forma de eternizar um momento que, para o bem ou para o mal, vai ficar na história do clube. Com relação aos outros livros, o Corinthians recebe 5% de royalties nos casos em que o produto foi licenciado. O fato é que, embora a Série B vá para sempre macular a imagem do Alvinegro, ninguém pode reclamar dos números. Além da campanha empolgante de vitórias em campo e muitos gols marcados, o time também conseguiu o maior patrocínio da história do futebol brasileiro até então - R$ 16,5 milhões, com a Medial Saúde - e ainda viu como nunca a exposição de seu nome, inclusive em locais antes pouco comuns. Uma livraria, por exemplo. LIVROS RECENTES SOBRE O CORINTHIANSA Reconstrução do TimãoAutores: Maurício Oliveira e Rodrigo VessoniEditora: Lance! PublicaçõesNúmero de páginas: 232 Preço: R$ 29,90Ano: 2008A Saga CorintianaAutor: Luis Augusto SimonEditora: Publisher BrasilNúmero de páginas: 120Preço: R$ 27Ano: 2008Eu Voltei!Autor: Daniel Augusto Jr.Editora: GutenbergNúmero de páginas: 128Preço: R$ 54Ano: 2008Corinthians - Amor Sem DivisãoAutores: Claudio Varela e Denise TavaresEditora: Geração EditorialNúmero de páginas: 250Preço: R$ 29,90Ano: 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.