WSL|Divulgação
WSL|Divulgação

Retrospecto anima apenas Mineirinho na 3ª etapa do Mundial

Adriano de Souza é o atual campeão, e Gabriel Medina tem más lembranças de Margaret River

O Estado de S. Paulo

06 de abril de 2016 | 12h24

Ao contrário da temporada passada, quando os brasileiros já demonstravam protagonismo nas duas primeiras etapas do Circuito Mundial de Sufe (WCT), a famosa Brazilian Storm ainda não engrenou neste ano. Com apenas duas semifinais como melhores resultados até este momento, os surfistas do País terão mais uma oportunidade para desencantar na competição, já que na próxima sexta-feira começa a janela para a última prova da perna australiana, que é realizada em Margaret River.

Se depender do histórico da última edição desta etapa, apenas Adriano de Souza tem o que comemorar. Afinal, foi lá que Mineirinho arrancou para a conquista do seu primeiro título mundial da modalidade. Para se tornar campeão daquela prova, ele desbancou nada mais nada menos que Kelly Slater nas quartas de final, Taj Burrow na semi e John John Florence na decisão. Neste ano, ele estreia na sexta bateria da primeira rodada contra o havaiano Keanu Asing e mais um atleta que sairá das triagens.

Se Mineirinho pode ficar animado pelo retrospecto, Gabriel Medina, outra grande estrela do surfe mundial, não guarda boas lembranças. Foi lá que ele teve seu pior resultado de todo ano passado, um 25º lugar, descartado ao final do WCT, sendo eliminado no segundo round pelo azarão australiano Jay Davies. 

Em 2015, outros seis brasileiros ainda estiveram presentes em Margaret River: Italo Ferreira e Jadson André terminaram na 13ª posição, enquanto Filipe Toledo, Wiggolly Dantas e Alejo Muniz, que participou como convidado, ficaram em 25º.

Aliás, a terceira etapa do Mundial de Surfe, com janela aberta até 19 de abril, também marca o retorno de Alejo ao WCT. Recuperado de uma cirurgia para recuperar uma lesão no joelho esquerdo, sofrida na etapa da França, em outubro do ano passado, o argentino naturalizado brasileiro fará sua estreia em 2016. Já Filipe Toledo, que se machucou na primeira prova deste ano, segue fora da disputa.

Além dos já citados acima, Caio Ibelli, campeão da divisão de acesso da temporada passada, e Alex Ribeiro, que também subiu de divisão, estreiam em Margaret River pela elite do Mundial de Surfe.

Campeão das duas primeiras etapas da temporada, o australiano Matt Wilkinson lidera o WCT com 20.000 pontos. O melhor brasileiro no ranking mundial é Italo Ferreira, empatado em quinto lugar com Mick Fanning e Stuart Kennedy. Filipe Toledo é o nono, Mineirinho o 10º e Gabriel Medina aparece apenas na 22ª posição.

CONFIRA AS BATERIAS DA 1ª FASE:

1 - Jeremy Flores (FRA) x Taj Burrow (AUS) x Alejo Muniz (BRA)

2 - Julian Wilson (AUS) x Kai Otton (AUS) x Alex Ribeiro (BRA)

3 - Matt Wilkinson (AUS) x Stuart Kennedy (AUS) x Adam Melling (AUS)

4 - Italo Ferreira (BRA) x Kanoa Igarashi (EUA) x Dusty Payne (HAV)

5 - Gabriel Medina (BRA) x Davey Cathels (AUS) x convidado

6 - Adriano de Souza (BRA) x Keanu Asing (HAV) x convidado

7 - Jordy Smith (AFS) x Michel Bourez (TAI) x Jack Freestone (AUS)

8 - Nat Young (EUA) x Caio Ibelli (BRA) x Matt Banting (AUS)

9 - Joel Parkinson (AUS) x Conner Coffin (EUA) x Ryan Callinan (AUS)

10 - Kelly Slater (EUA) x Kolohe Andino (EUA) x Miguel Pupo (BRA)

11 - John John Florence (HAV) x Adrian Buchan (AUS) x Sebastian Zietz (HAV)

12 - Wiggolly Dantas (BRA) x Josh Kerr (AUS) x Jadson André (BRA)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.