Reunião no Planalto não terá Kassab

Considerado ''persona non grata'' após sigilo de empresa de Palocci ter sido quebrado, prefeito não debaterá obras hoje

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2011 | 00h00

BRASÍLIA

A presidente Dilma Rousseff reúne hoje em Brasília os governadores de 9 Estados onde serão realizados jogos da Copa do Mundo de 2014, que o Brasil organizará, além de 11 prefeitos das cidades que receberão as partidas. A única ausência entre os líderes municipais é Gilberto Kassab (PSD), que comanda a maior cidade do país, São Paulo, mas não participará do encontro.

O prefeito paulistano passou a ser considerado "persona non grata" no Palácio do Planalto por causa do vazamento das informações sobre o faturamento da empresa do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, que aumentou seu patrimônio em 20 vezes nos últimos quatro anos atuando na área de consultoria empresarial.

A ausência de Kassab é mais um indício de que a situação da capital paulista com relação aos preparativos do Mundial não está no mesmo compasso que espera o governo federal.

A cidade já perdeu a Copa das Confederações e o Centro de Imprensa, e corre o risco de ter um "papel menor" no Mundial, deixando de realizar a cerimônia de abertura (agora cobiçada por Brasília) e até mesmo organizar confrontos menores do torneio.

Oficialmente, o Planalto justifica a ausência de Kassab alegando que o mandatário tem outro compromisso. Ele será o anfitrião de uma conferência do meio ambiente, a C-40, e não poderia estar presente à reunião.

Cobrança. A reunião não será das mais agradáveis para os presentes. A presidente Dilma está muito irritada com o atraso nas obras de estádios e mobilidade urbana em seus entornos.

As cidades com maior problema poderão ser cortadas. São Paulo e Natal são as duas capitais mais críticas em relação ao cronograma de preparação para a Copa. Belo Horizonte e Salvador são as duas mais adiantadas.

No encontro, Dilma vai apresentar uma série de queixas, avisando, inclusive que a cidade que não apresentar condições poderá ficar de fora para sediar os jogos, conforme o Estado antecipou no sábado.

O que Dilma quer evitar é que o governo federal seja obrigado a assumir o ônus político pelo atraso de obras e soluções que não são da sua responsabilidade.

Os governadores do Ceará, Cid Gomes (PSB); do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB); e do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), não poderão participar porque estão viajando, respectivamente, para Estados Unidos, Paris e Coreia do Sul.

CONVIDADOS

11

prefeitos de capitais deverão ir hoje à reunião com a presidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.