Sátiro Sodré/SSPress/CBDA
Sátiro Sodré/SSPress/CBDA

Revezamento do Brasil faz melhor tempo e avança à final no 4x50m medley

Guilherme Guido, Felipe Lima, Matheus Santana e Cesar Cielo terminam em 1min32s18 em Hangzhou

Estadão Conteúdo

15 de dezembro de 2018 | 08h22

Com o melhor tempo da eliminatória, o revezamento 4x50 metros medley do Brasil se classificou para disputar a final da prova no Mundial de Natação em Piscina Curta (25 metros), realizado em Hangzhou, na China. Neste sábado, o conjunto formado por Guilherme Guido, Felipe Lima, Matheus Santana e Cesar Cielo terminou a bateria em 1min32s18.

"A equipe foi bem e segura. Importante para chegarmos bem na final", falou Felipe Lima após a bateria. A marca dos brasileiros, que vão disputar medalha ainda na manhã deste sábado (horário de Brasília), foi apenas dois centésimos melhor do que a da Itália e 19 centésimos mais rápida que a dos Estados Unidos.

Quem também vai disputar uma medalha na manhã deste sábado é o brasileiro Brandonn Almeida, que fez o segundo melhor tempo das baterias eliminatórias dos 400 metros medley, com a marca de 4min04s58. "Queria muito essa final. Consegui. Me senti bem e acho que coisas boas vão vir a noite", afirmou.

Em outras baterias individuais neste sábado, os brasileiros Felipe Lima e João Gomes Júnior, nos 50 metros peito, Daiene Dias, nos 100 metros borboleta, Etiene Medeiros, nos 50 metros livre, Marcelo Chierighini, nos 100 metros livre, alcançaram as semifinais em suas respectivas provas.

"Cabeça está boa e o que passou, passou. É o que eu gosto de fazer, estou em um Mundial e representando o Brasil. Vou dar meu melhor para chegar à final", disse Etiene, que nesta sexta-feira não conseguiu alcançar a final dos 50 metros costas. Para chegar à semifinal dos 50 metros livre, a brasileira fez o quarto melhor tempo, com a marca de 24s.

Já Chierighini, que vai disputar uma vaga na final dos 100 metros livre, acredita que precisa melhorar o tempo de 46s89, marca do brasileiro na eliminatória. "Eu me senti bem. Não forcei muito, mas vou precisar nadar melhor na semifinal", analisou o nadador.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.