Pedro Pardo/AFP
Pedro Pardo/AFP

Revezamento dos EUA é desclassificado e Brasil leva ouro nos 4x100m misto do Pan

Cody Miller cometeu pernada ilegal no nado peito que resultou na perda de medalha para os norte-americanos

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2019 | 01h42

Graças a uma punição aplicada à equipe dos Estados Unidos, que foi desclassificada após chegar em primeiro lugar, o Brasil herdou a medalha de ouro da prova do revezamento 4x100m misto na noite desta quinta-feira (início de madrugada de sexta no horário de Brasília) dos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019.

O time norte-americano teve o seu resultado desqualificado na capital peruana por causa de uma pernada ilegal de Cody Miller, o segundo a cair na água no quarteto do seu país, no nado peito, em irregularidade que acabou custando caro para os EUA na prova.

Antes da punição ser aplicada, os Estados Unidos venceram a disputa com o tempo de 3min42s96, enquanto o Brasil ficou em segundo lugar com 3min48s61. Porém, com a desclassificação dos norte-americanos, o time nacional formado por Guilherme Guido, João Gomes Júnior, Larissa de Oliveira e Joana Diamante herdou o ouro e subiu ao topo do pódio. A sanção aos EUA também beneficiou o Canadá, que saltou do bronze para a prata com o tempo de 3min49s97. Já a equipe argentina, que fechou a final em quarto lugar, acabou herdando o último lugar do pódio em Lima.

Para Entender

Pan-Americanos 2019: saiba como assistir ao torneio que será disputado em Lima

Competição vai ter transmissão ao vivo na TV aberta, fechada e online

Assim, o Brasil fechou a noite desta quinta-feira também com duas medalhas de ouro na natação - a outra foi obtida pelo brasileiro Marcelo Chierighini na final dos 100m livre. Para completar, a equipe nacional obteve outras duas pratas e três bronzes neste dia de disputas da modalidade. Guilherme Guido foi segundo colocado nos 100 metros costas, enquanto o seu compatriota Miguel Leite Valente obteve a mesma posição nos 800 metros livre. Já os bronzes vieram com Larissa de Oliveira nos 100m livre, Etiene Medeiros nos 100m costas e Viviane Jungblut nos 800m livre.

Com o desempenho desta quinta, o Brasil passou a contabilizar 19 medalhas na natação deste Pan e se aproximou do seu melhor desempenho na modalidade na história da competição, que veio com os 26 pódios nas edições do Rio-2007 e de Toronto-2015. E no quadro geral de medalhas em Lima-1019, o País se firmou ainda mais na segunda posição na classificação geral, com 36 ouros, 28 pratas e 51 bronzes, totalizando 115 pódios. Os Estados Unidos, com 83 ouros, 68 pratas e 55 bronzes, são os líderes disparados, com 206 ao total. O México (27-24-46) tem um total de 97 e ocupa o terceiro lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.