AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Ricardo e Emanuel: Pan é próxima meta

Ricardo e Emanuel, os melhores do mundo no vôlei de praia, garantiram, nesta quarta-feira, o segundo ouro e a quinta medalha do Brasil nos Jogos de Atenas. A dupla teve atuação impecável e arrasou os espanhóis Javier Bosma e Pablo Herrera por 2 sets a 0 (21/16 e 21/15), em 42 minutos de partida. Falta, agora, apenas mais um primeiro lugar para que os brasileiros igualem a campanha de Atlanta-96 em quantidade de medalhas de ouro - três. E o vôlei de praia passa a ser um dos quatro esportes que mais vezes levaram o País ao pódio: sete, atrás do iatismo, do atletismo e do judô. A festa na Arena de Atenas impressionou. Os campeões foram ovacionados pelo torcedor durante a volta olímpica, sob o som de ?We Are The Champions?, música do Queen. Os aplausos surgiram até das mãos da Rainha Sophia, da Espanha, que não perdeu nenhum minuto do confronto e fez questão de ficar até o fim para assistir à cerimônia de entrega de medalhas, sempre cercada por seguranças. O nadador Gustavo Borges, os ex-jogadores de vôlei Carlão e Paulão, além de Leila, também do vôlei, prestigiaram Ricardo e Emanuel, que iniciaram a parceria no fim de 2002. "Chegamos ao máximo, nos mostramos maduros e estivemos unidos e focados o tempo todo", comentou Ricardo, de 29 anos, o craque do torneio. Há quatro anos, em Sydney, ele se decepcionou, ao lado de Zé Marco, ao perder o ouro para os americanos Dain Blanton e Eric Fonoimoana, quando eram favoritos. "Estou feliz de não ter desistido, tentado novamente e, desta vez, vencido." Emanuel viveu situação ainda mais desagradável. Chegou a Atlanta, com Zé Marco, e a Sydney, com Loiola, como forte candidato ao pódio, mas decepcionou nas duas ocasiões e ficou apenas na nona colocação em ambas. Recebeu críticas e admitiu ter ficado abalado. Recuperou-se e agora, aos 31 anos, alcançou o objetivo de forma brilhante. "Foram oito anos de luta e, quando comecei a dupla com o Ricardo, sabia que poderia ter chegado até aqui", revelou. Assim que fizeram o 21º ponto do 2º set, os brasileiros se abraçaram. Emanuel não conteve o choro e Ricardo tentou disfarçar. Após terem colocado a medalha no peito, fizeram a alegria dos voluntários e passaram bom tempo tirando fotos e dando autógrafos. Só conseguiram ir para o exame antidoping por volta da meia-noite da Grécia (18h de Brasília). Depois, durante a entrevista coletiva, os dois riram como crianças, brincaram e, eufóricos, explicaram o caminho da glória. "Chegamos mais experientes do que na última Olimpíada, maduros, e nos fechamos em busca da nossa meta", disse Ricardo. "Atenas foi só um complemento do nosso trabalho. Jogamos 10 campeonatos, ficamos três meses fora do Brasil e nos preparamos para essa vitória", acrescentou Emanuel. A dupla brasileira é, de longe, a mais forte do planeta na atualidade. Já conquistou, por exemplo, o título do Circuito Mundial de Vôlei de Praia desta temporada por antecipação. Ricardo e Emanuel, que humilharam Bosma e Herrera na final e em nenhum momento se viram ameaçados, revelaram que o próximo objetivo é participar do Pan-Americano de 2007, no Rio. Eles não puderam disputar as últimas duas edições do Pan por terem compromissos importantes no circuito, que seriam decisivos para a classificação na Olimpíada. Na tarde desta quinta-feira, os campeões olímpicos embarcam rumo ao Brasil com o ouro na mala e a impressionante campanha de sete vitórias e nenhuma derrota em Atenas.

Agencia Estado,

25 Agosto 2004 | 19h25

Mais conteúdo sobre:
olimpíada 2004 olimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.