Ricardo Gomes já fala em arrancada

Técnico estreia no São Paulo hoje contra o Náutico, no Morumbi, e imagina o time na briga pelo 4º título seguido

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

27 de junho de 2009 | 00h00

Ricardo Gomes assumiu o comando do São Paulo há apenas quatro dias e hoje já tem o seu primeiro desafio. E, se algumas semanas atrás os dirigentes diziam que ainda havia muito tempo para o time se recuperar no Campeonato Brasileiro, o novo treinador pensa diferente: já quer uma vitória contra o Náutico, às 16h10, no Morumbi, para iniciar uma arrancada semelhante àquela que levou a equipe ao título nacional no ano passado. Só que mais cedo.O São Paulo do antigo técnico Muricy Ramalho tinha, antes da oitava rodada do campeonato de 2008, 12 pontos - cinco a mais do que tem agora. Mas só acordou e buscou a taça a partir da segunda rodada do segundo turno. Risco que Ricardo Gomes não quer correr em sua primeira competição pelo clube."Já estamos em estado de alerta", admite o novo treinador. "Pegar o Campeonato Brasileiro em andamento não é fácil. Mas precisamos dar uma resposta imediata, tentar a recuperação mais rápido que no ano passado."Uma vitória logo na estreia já colocaria Ricardo Gomes em vantagem sobre Muricy. O ex-chefe do futebol são-paulino perdeu no comando do seu primeiro jogo no retorno ao clube, em 2006: 1 a 0 contra o Santo André, no dia 18 de janeiro, no Estádio Bruno José Daniel, pelo Campeonato Paulista."Estou confiante, mas temos de ir com calma. O Muricy ficou três anos aqui e eu, três dias", lembra Ricardo Gomes. "Um ciclo de quase quatro anos, na história do futebol, é raríssimo. Agora nós temos que repensar algumas coisas para construirmos um clube vencedor de novo."A concepção de jogo que Ricardo Gomes já tenta colocar em prática a partir desta primeira partida é clara: "Quero um jogo mais vertical para ganharmos tempo e espaço e o trabalho dos atacantes ser facilitado." Assim, alguns homens fortes de Muricy ficam no banco. "Gosto muito do Hugo, do Jorge Wagner, do Jean. Eles ficam fora agora, mas ainda não está nada totalmente definido. Preciso de tempo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.