Richarlyson tenta esquecer má temporada na decisão

O destino não poderia ser mais generoso com Richarlyson. O jogador, que passou por um turbilhão durante a temporada, será o substituto de Jean na partida decisiva do Campeonato Brasileiro. Contra o Goiás, vai reviver com Hernanes a dupla que consagrou ambos os volantes no Nacional de 2007."Fico muito feliz pelo Muricy ter confiado em mim para um momento importante como esse. Vou fazer o melhor", disse o jogador, em conversa rápida com o Estado, após o coletivo da quinta-feira. Um belo jogo para retornar ao time, não é? "Com certeza, não poderia ser melhor", concorda o jogador.Será a última chance de Richarlyson, neste ano, para mostrar que pode voltar a ser o jogador eficiente de 2007. Terceiro atleta mais antigo no grupo são- paulino, só atrás de Rogério Ceni e Júnior, começou o ano como bicampeão brasileiro e eleito um dos melhores do campeonato passado. Começou o ano como titular da seleção, no amistoso em que o time de Dunga venceu a Irlanda por 1 a 0. Mas não soube lidar com o sucesso. Passou a jogar mal, a levar muitos cartões amarelos e vermelhos. Sempre que criticado, dizia que era perseguido. Richarlyson manteve a titularidade no Campeonato Paulista e na Taça Libertadores - ao menos quando as suspensões permitiam. Mas, diante de partidas ruins e atos de indisciplina, nem sequer pôde ser defendido por seu maior defensor, Muricy Ramalho. No início do Brasileiro, perdeu o lugar, primeiro para Zé Luís, depois para Jean.Richarlyson viu a reação do time sentado no banco de reservas. O que, para Hernanes, não será um problema. "Podemos repetir o futebol de 2007. Nosso entrosamento é na base da conversa." Muricy atesta que o jogador está pronto para voltar ao time. "Ele está muito bem. Mesmo no banco, manteve a disciplina e a mesma atitude com o grupo. Ele nunca abaixou a cabeça e está voltando porque tenho confiança total nele." Também está voltando, é necessário dizer, porque o técnico não tem outro jogador para a posição.Ao entrar no lugar de Jean, Richarlyson terá de se preocupar mais com a contenção. "Só quero fazer bem essa função em que o Muricy me colocou", disse. Se depender dos números da parceria com Hernanes, a perspectiva é animadora. Em 2007, jogaram juntos 23 vezes - venceram em 18 oportunidades e só perderam uma partida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.