Ricos, badalados e... em má fase

Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Robinho e Adriano vivem, por diferentes razões, um baita inferno astral na temporada

Eduardo Maluf, O Estadao de S.Paulo

28 de março de 2009 | 00h00

Eles são ricos, famosos, badalados e estão na seleção brasileira. Mas o maior desafio de Adriano, Ronaldinho Gaúcho, Robinho e Kaká, agora, é driblar a má fase que os atormenta já há algum tempo, por lesão, mau futebol ou problemas disciplinares. Os quatro são, curiosamente, os nomes de mais impacto do time de Dunga, embora no "quesito bola" venham sendo superados por jogadores considerados menos importantes, como Julio Cesar, Maicon, Lúcio, Gilberto Silva, Elano...Na Itália, por exemplo, a imprensa não entende por que Ronaldinho Gaúcho e Adriano são convocados por Dunga. O meia do Milan virou reserva da equipe comandada por Carlo Ancelotti e o atacante da Inter de Milão vive mais fora do time - por exagerar nas noitadas - do que em campo. A paciência de seu treinador, José Mourinho, parece ter se esgotado.Robinho também andou se envolvendo em algumas confusões. Chegou até a ser acusado de estupro por uma mulher na Inglaterra. Para complicar, não vem jogando o que dele se esperava no Manchester City. Os ingleses acham estranha a presença constante de seu nome nas listas do Brasil.Já Kaká sofre com seguidas lesões desde o início de 2008. Problemas físicos que o impedem de ter uma boa sequência de jogos na temporada."São jogadores importantes, experientes e que já nos ajudaram muito." Essa é a explicação dada pelo treinador brasileiro para chamá-los quase sempre. Há, também, outro componente a se ressaltar: a safra atual de jogadores não é tão abundante nem tão talentosa como as de algum tempo atrás.A situação de Ronaldinho causa intriga por aqui e na Europa. O que ocorre com o atleta que encantou o mundo em 2004, 2005 e no primeiro semestre de 2006? Desde a Copa da Alemanha, em que o Brasil foi eliminado nas quartas-de-final pela França, não conseguiu mais fazer boas exibições. Recebeu vaias no Barcelona - algo que parecia impensável - e deixou o clube em baixa no fim da temporada passada. A expectativa era de que, com novos ares, recuperaria o futebol no Milan.Chegou com pompa, mas pouco fez e acabou indo para o banco. Até David Beckham, que havia deixado o esporte competitivo para ganhar dinheiro nos Estados Unidos, vem jogando mais que o brasileiro. "Tive alguns problemas de lesão, mas já estou bem, me sinto melhor e estou feliz", garantiu Ronaldinho, certo de que os bons tempos voltarão.Seu colega Kaká foi eleito o melhor do mundo em 2007. Mas, desde que recebeu o troféu da Fifa, em festa de gala na Suíça, parece ter perdido a sorte. As lesões o tiraram de boa parte dos jogos na Itália e, por isso, acabou ficando fora do grupo dos três melhores de 2008."Infelizmente, sofri algumas lesões que me atrapalharam", reconheceu o craque. "Tive de parar um tempo para me recuperar e espero voltar bem." Adriano e Robinho parecem estar em condição semelhante. O talento de ambos é inquestionável, porém o comportamento vem prejudicando a carreira dos atacantes. Robinho admite não estar brilhando na Inglaterra, mas culpa, em parte, a falta de jogadores habilidosos a seu lado para fazer tabelas. "E as cobranças em cima de jogadores de seleção são sempre maiores", observou, um tanto contrariado com as críticas.Adriano se diz indignado com a divulgação de notícias sobre sua vida particular. "É gente que quer me prejudicar", afirmou. E promete dar a volta por cima. Aliás, algo que já faz há alguns anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.