Jens Dige/AP
Jens Dige/AP

Rio aposta no 'momento do Brasil' na campanha pelos Jogos

Presidente do COB, Carlos Nuzman aponta para o crescimento econômico e a melhora dos indicadores sociais

Karolos Grohmann, Reuters

29 de setembro de 2009 | 13h26

A hora chegou para se realizar a primeira Olimpíada na América do Sul, devido ao crescimento econômico e melhora nos indicadores sociais do Brasil, disseram os líderes da campanha do Rio de Janeiro nesta terça-feira, repetindo o lema que será utilizado para tentar atrair os eleitores do Comitê Olímpico Internacional. Os cariocas concorrem com Chicago, Madri e Tóquio na disputa do COI, em 2 de outubro em Copenhague, na Dinamarca.

Veja também:

link'O Rio não compete com Obama', diz Pelé

linkObama esquenta lobby em disputa por Olimpíada

linkFalta de verba tira competição de natação do Rio

especialESPECIAL - Tudo sobre as cidades candidatas

especialRIO 2016 - Mais sobre a campanha pelos Jogos

"Chegamos ao campo de jogo", disse o chefe da candidatura e presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Carlos Arthur Nuzman. "Eu adoro este momento. O melhor momento para mim é estar no campo de jogo, o sentimento é completamente diferente", disse. "Temos a adrenalina e os melhores atletas adoram a adrenalina alta", acrescentou.

Após duas tentativas frustradas, essa é a primeira vez que o Rio consegue chegar à fase final de votação. Nuzman afirmou que este é o momento certo para o Brasil devido à força da economia brasileira, à redução dos níveis de pobreza e defendeu que a atual proposta é a de melhor qualidade.

"Posso dizer que o Rio está pronto. O projeto dos Jogos é o projeto da cidade e esse projeto dos Jogos foi aprovado (pelo COI). Esse é um bom momento e não se pode comparar com as propostas anteriores. Essa é uma das propostas mais completas da histórias dos Jogos Olímpicos."

O governador do Rio, Sérgio Cabral, garantiu que a cidade e o país estão prontos para receber o evento. "O Brasil tem uma economia forte. Mais de 30 milhões de pessoas deixaram a pobreza. O Banco Mundial disse que em cinco anos o Brasil será a maior economia do mundo", afirmou.

"Das 10 maiores economias do mundo, o Brasil é a única que nunca realizou os Jogos Olímpicos", acrescentou Cabral. "Esse é um momento histórico para o nosso país, para o nosso continente, para o nosso Estado. Esse é o nosso momento, o momento do Brasil."

As autoridades da cidade também disseram que a realização da Copa do Mundo de 2014 no país representa uma "vantagem" nos preparativos para os Jogos, apesar da preocupação revelada pelo COI quanto a uma eventual divisão dos patrocinadores entre os dois eventos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.