Jonne Roriz/Estadão -2011
Jonne Roriz/Estadão -2011

Rio terá centro de treinamento de esportes aquáticos só em 2016

Consórcio de Odebrecht e Eike prevê novo local só depois dos Jogos Olímpicos

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2013 | 09h03

RIO - Na cidade dos Jogos Olímpicos de 2016, derrubam-se um estádio de atletismo e um parque aquático para construir estacionamentos. O edital de concessão do Maracanã prevê a demolição do Célio de Barros, por onde passaram nomes como Joaquim Cruz e João do Pulo, e do Júlio Delamare, que reuniu de Gustavo Borges a Cesar Cielo, e a construção de novos centros de treinamento. Mas o de esportes aquáticos, segundo o consórcio vencedor da licitação, só deve ficar pronto depois da Olimpíada do Rio.

Pelo cronograma apresentado na proposta técnica do consórcio Maracanã S.A., que venceu a licitação, a construção do novo CT de esportes aquáticos só vai começar depois da Copa de 2014 e ficar pronta no 3.º trimestre de 2016.

A demolição de Delamare e Célio de Barros está prevista para ter início também após o Mundial. O novo CT de atletismo só ficará pronto, pelo cronograma do consórcio, pouquíssimo tempo antes dos Jogos Olímpicos: no fim de 2015.

"Como os atletas vão treinar até lá? Isso é uma falta de respeito!", disse o presidente da federação de Atletismo do Rio, Carlos Lancetta. A proposta técnica já prevê qual será a destinação do Célio de Barros depois da demolição: "Canteiro central" das obras. "Convivi com os grandes atletas do atletismo brasileiro lá. Vi Joaquim Cruz bater o único recorde mundial em solo brasileiro... É muito triste ver o descaso das autoridades públicas", disse Lancetta.

Procurado, o governo do Rio desconsiderou o que está escrito na proposta do consórcio vencedor e informou que "não procede a informação de que os novos estádios somente ficarão prontos em 2015" (embora, segundo o cronograma do consórcio, o de esportes aquáticos só sairá do papel em 2016). "A demolição de Célio de Barros e Julio Delamare e a construção dos novos estádios ocorrerão quando o governo do Estado assim determinar ao consórcio", informou.

Também procurado, o consórcio Maracanã S.A., formado pela IMX de Eike Batista, a Odebrecht e a norte-americana AEG, optou por não responder à nenhuma das perguntas feitas pelo Estado.

ENSINO 

Também será demolida a escola municipal Friedenreich, que em 2012 ficou entre as dez melhores instituições públicas do Estado do Rio no ranking do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) referente aos anos iniciais do ensino fundamental (1.º ao 5.º). Pelo cronograma do consórcio, a demolição vai durar 22 dias e terminar no 2.º trimestre de 2015. A construção da nova escola para onde serão levados os alunos e a transferência do mobiliário vai levar 191 dias e terminar também no 2.º trimestre de 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.