Rio vai assistir aos jogos do Brasil em cinema 3D

Torcedores de futebol voltarão às salas de cinema para acompanhar partidas da Copa do Mundo depois de muito tempo. Ontem, a Fifa e a Sony anunciaram que vão instalar cinemas em algumas das principais cidades do mundo para que torcedores possam ver os jogos em três dimensões. O Rio foi escolhido para ter uma dessas salas e o Brasil será a seleção que mais aparecerá em transmissões em 3D.

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2010 | 00h00

No total, 25 jogos dos 64 do Mundial serão transmitidos pela primeira vez com a nova tecnologia - sete pares de câmeras permitirão o efeito 3D. Mas apenas uma fração dos países que receberão os sinais de transmissão poderá assistir às partidas pelo novo formato. Por enquanto são 26 países habilitados.

Os três compromissos do Brasil na primeira fase, contra Coreia do Norte, Costa do Marfim e Portugal, estão englobados na programação. A abertura da Copa, entre África do Sul e México, será o primeiro jogo na história do Mundial a poder ser visto pela tecnologia. As partidas de Alemanha, Holanda, Espanha, Argentina também serão exibidas.

Mas a Fifa deixou a Inglaterra e a França de fora e os torcedores desses países apenas terão a nova experiência se suas seleções chegarem às semifinais. Além do Soccer City, nove estádios terão as câmeras mais modernas.

Espanha, Reino Unido, EUA e possivelmente o Japão terão canais específicos para a nova tecnologia. "Esperamos que algumas centenas de milhares de pessoas possam ver os jogos nesse formato", afirmou o diretor de TV da Fifa, Niclas Ericson.

De acordo com os organizadores da mudança tecnológica, a nova transmissão será tão revolucionária como os primeiros jogos transmitidos em cores, novidade que surgiu na Copa de 1970, vencida pelo Brasil. "Lembro-me de estar na casa de um vizinho vendo Pelé e Jairzinho derrotarem a Itália em 1970. O que teremos agora é uma nova mudança de paradigma", declarou o diretor de marketing da Sony, David Bush.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.