Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Rio vai tratar só 60% da Baía de Guanabara para Jogos, diz governador

Meta prevista inicialmente era tratar 80% dos resíduos descartados

Rodrigo Viga Gaier, REUTERS

13 de abril de 2015 | 18h42

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, admitiu nesta segunda-feira que o Estado vai conseguir tratar no máximo 60% do esgoto lançado na Baía de Guanabara até os Jogos Olímpicos de 2016. A meta prevista inicialmente era tratar 80% dos resíduos descartados na Baía de Guanabara, onde vão ocorrer as provas de vela em 2016.

"Para a Olimpíada não dá tempo... Nós estamos com 49% hoje e acredito que possa se chegar a 55 ou 60% dependendo da liberação das obras", disse ele a jornalistas durante posse da nova presidência da Câmara de Comércio Americana do Rio.

O governador admitiu que o não cumprimento da meta considerada como um dos principais legados dos Jogos pode frustrar a comunidade internacional, mas afirmou que o Estado não deixará o objetivo de lado.Segundo Pezão, os investimentos que vêm sendo feitos apontam para a possibilidade de se chegar aos 80% somente no fim de 2018, quando termina o mandato do governador.

"Se pudéssemos ter todos os investimentos que programamos até os Jogos isso seria extraordinário...alguns vão estar prontos, mas algumas obras da Baía de Guanabara vão ficar para depois", afirmou. "Vamos entregar até o final de 2018...para a Olimpíada não dá tempo."

Além do cronograma de obras e investimentos, Pezão apontou entraves legais como barreiras para algumas obras olímpicas no Rio de Janeiro. Ele citou como exemplo a dragagem das lagoas da Barra da Tijuca e de Jacarepaguá, locais que vão concentrar parte da atividade olímpica em 2016.

"O MPF (Ministério Público Federal) não está aceitando o termo de ajuste de conduta que a gente fez com o Ministério Público Estadual. O dinheiro está na conta e já poderíamos estar fazendo essas obras; temos burocracia, órgãos de fiscalização e ações que impedem a gente de estar num ritmo melhor das obras", avaliou Pezão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.