Salvatore Di Bolfi/EFE
Salvatore Di Bolfi/EFE

Rio valoriza equilíbrio financeiro para sediar Olimpíada

Henrique Meirelles, afirma que o esperado é que o Brasil saia da crise financeira de forma sustentável

Agencia Estado

17 de junho de 2009 | 14h57

A candidatura do Rio de Janeiro, assim como outras três cidades, realizou nesta quarta-feira apresentação aos membros do Comitê Olímpico Internacional (COI) que vão decidir a sede dos Jogos de 2016 e destacou o equilíbrio financeiro do Brasil para receber o evento. Henrique Meirelles, presidente do Banco Central participou do evento.

Veja também:

linkCOI destaca equilíbrio da disputa por Jogos de 2016

Meirelles garantiu a estabilidade financeira do País. "Se espera que o Brasil saia desta crise em crescimento, de forma sustentável", afirmou. "Nossos investimentos estão voltando ao Brasil. Tudo isto dá garantias de que o Brasil está uma posição para atingir este [objetivo] e aproveitar economicamente os Jogos".

A candidatura apresentou um vídeo com uma mensagem do presidente Lula, gravado há dois dias em Genebra. "Ele falou sobre o compromisso total do governo brasileiro com todas garantias", disse Carlos Roberto Osorio, secretário-geral da candidatura do Rio.

As autoridades do Rio mostraram uma mapa-múndi marcando todos os lugares que já sediaram os Jogos Olímpicos, com um grande espaço branco na América do Sul. Também destacaram que o Brasil tem condições de organizar a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016.

Já Chicago apresentou um vídeo com Valerie Jarrett, uma das principais assessoras do presidente Barack Obama, em que reiterou o apoio do mandatário. Os responsáveis pela candidatura disseram que a cidade norte-americana possui garantias financeiras privadas para receber a Olimpíada.

Madri e Tóquio mostraram vídeos com os presidentes da Espanha e Japão, respectivamente. A cidade asiática, que sediou os Jogos Olímpicos de 1964, frisou possuir assegurados US$ 4 bilhões para investimentos.

Na quinta-feira, as cidades farão apresentações em um hotel de Lausanne onde poderão mostrar vídeos e reunir-se individualmente com os eleitores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.