Rivaldo evita derrota no Morumbi

Atleta estava no banco e só entrou no 2º tempo para fazer no último minuto o gol de empate contra Atlético-PR

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2011 | 00h00

Adilson Batista surpreendeu ao colocar Rivaldo na reserva ontem, em pleno Morumbi. Xodó da torcida do São Paulo, o veterano meia entrou na segunda etapa para marcar no minuto final e evitar a derrota para o Atlético-PR, no empate por 2 a 2. Com o resultado, porém, o time perdeu a chance de assumir a liderança provisória do Brasileiro.

Diante de mais de 23 mil no Morumbi, a entrada de Ilsinho causou surpresa - o contrato do meia se encerra nesta semana e não há sinais de que vá ser renovado. Adilson, porém, minimizou o fato de deixar no banco Rivaldo, que havia marcado gol no jogo anterior, diante do Ceará. "Não vejo problema. A questão é física, pois estamos sobrecarregados. É o caso do Rhodolfo, que estamos segurando", disse ele.

Rivaldo, que teve problemas com Carpegiani, evitou nova polêmica. "O Adilson disse que eu ia ser poupado e achei normal, pois viemos de uma sequência forte", disse o meia.

Prejudicado por lesões, o São Paulo paga caro pela falta de planejamento de elenco. Com uma zaga improvisada, o time de Adilson Batista ainda perdeu o volante Denilson por contusão.

Improvisos. Sem Rhodolfo, machucado, Adilson Batista teve de improvisar o volante Zé Vitor na defesa, ao lado de João Filipe. Em duas falhas da defesa, o time paranaense fez seus gols e deixou pela primeira vez as últimas posições da tabela. Nem Lucas, que ontem completou 19 anos e voltava da seleção, conseguiu evitar mais um tropeço no Morumbi. O São Paulo não conseguiu se impor contra um rival que, além de brigar contra o rebaixamento, entrou desfalcado de peças importantes como Paulo Baier, Kleberson e Cleber Santana. Cícero, que vinha fazendo boas partidas, teve atuação apática e não se entendeu com Ilsinho.

No primeiro tempo, o São Paulo demorou a se soltar e abusou dos passes de lado. Com postura defensiva, o Atlético-PR pouco se arriscou, mas abriu o placar em um lance de bola parada. Aos 20, Fransérgio aproveitou cruzamento em cobrança de falta e, sozinho, desviou de cabeça.

Para a sorte do Tricolor, o time teve pouco tempo para sentir o golpe. Quatro minutos depois, Ilsinho avançou pela intermediária, cortou para o pé direito e soltou um chute indefensável, no ângulo de Renan, para empatar. "Falta um pouquinho de tranquilidade e temos de arriscar mais de fora da área, como o Ilsinho fez", afirmou Lucas.

Logo após o intervalo, o São Paulo sofreu mais uma baixa. Aos 9, Denilson, que vinha bem na partida, deixou o campo com dores na coxa esquerda para a entrada de Jean. Aos 15 do segundo tempo, porém, a torcida já pedia a entrada de Rivaldo. .Aos 20, ele entrou no lugar de Ilsinho.

Aos 32, Edigar levou a melhor entre dois zagueiros do São Paulo e chutou rasteiro no canto para marcar. Rogério Ceni ainda evitou o terceiro, em outro contra-ataque. Abalado, o São Paulo evitou a derrota aos 45: Rivaldo aproveitou cruzamento rasteiro e empurrou para o gol, levando ao delírio a torcida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.