Paulo Pinto/AE - 2/2/2011
Paulo Pinto/AE - 2/2/2011

Rivaldo, expectativa de um novo show

Jogador mantém a modéstia, enquanto a torcida espera, contra o Botafogo, a mesma atuação da estreia

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2011 | 00h00

O torcedor são-paulino precisa aproveitar. É dia de ver Rivaldo de novo. Se não puder ir ao Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, o tricolor que gosta mesmo de futebol deve ligar a televisão, neste domingo, às 19h30, quando o camisa 10 entra em campo mais uma vez, agora para enfrentar o Botafogo.

Na sua estreia, o craque só não fez chover porque o tempo já estava feio para os lados do Morumbi. Mas encantou ao mostrar tudo o que se espera presenciar numa partida: lances belos e um gol de raríssima plástica, digno dos melhores jogadores da história, aqueles que honraram o privilégio de envergar uma camisa com o número 10 às costas. Sem contar a consciência de dar velocidade ou atrasar uma jogada, toque que só meio-campistas de talento e experiência são capazes de dar a uma equipe.

"O Rivaldo dá a consistência que um meio-campo de qualidade precisa", explica o treinador Paulo César Carpegiani. "Com uma referência como ele no setor, tudo fica mais fácil. Ele vai ser fundamental ao São Paulo pelo estilo de jogo que dá ao time."

Com a humildade e discrição costumeiras, Rivaldo pede cautela. "Foi apenas meu primeiro jogo. Não podemos avaliar se o São Paulo melhorou comigo ou não. Ainda é muito cedo", diz.

Mesmo os craques não conseguem brilhar todo dia. Se não se repetir hoje, Rivaldo, 38 anos, garante, no entanto, que estará disposto a ter uma média de aparições bem melhor do que jogadores que compartilham com ele o rótulo de "veterano", como Roberto Carlos e Ronaldo, do Corinthians, por exemplo.

"Eu me cuido e me preparo para jogar todas as partidas", afirma. "Vai depender do treinador. Enquanto me encontrar bem, vou jogando. Posso parar de jogar com 40, 41, não sei. Até quando puder jogar, vou fazer questão de estar em campo. É o que mais gosto de fazer na vida."

Outros jogos. O Paulista aposta na estreia do técnico Wagner Lopes para encerrar a seca de quatro rodadas sem vencer no Estadual diante do São Caetano, no ABC. O treinador, que assume a vaga de Fernando Diniz, pega a equipe em posição intermediária, com 8 pontos, depois de início promissor. Já a equipe de casa precisa ficar atenta: com apenas 5 pontos, pode cair para a zona de rebaixamento se perder. Outros jogos: às 17 horas, Ituano x São Bernardo; às 19h30, Bragantino x Mirassol.

BOTAFOGO - Júlio César, Eduardo Ratinho, Dão, Gabriel, Andrezinho, Rodrigo Soares, Leandro Carvalho, Assis, Ramon, Anselmo e Assisinho. Técnico - Regis Angeli (interino)

SÃO PAULO - Rogério Ceni, Luiz Eduardo, Xandão, Miranda, Ilsinho, Jean, Rodrigo Souto, Rivaldo, Juan, Dagoberto e Fernandinho. Técnico - Paulo César Carpegiani

Árbitro - Robério Pires; Data - 6 de fevereiro de 2011 (domingo); Horário - 19h30 (horário de Brasília); Local - estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto; TV - Sportv

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.